O longo século XIX - da Revolução Francesa à Primeira Guerra Mundial

Timeline created by Leonardo Venâncio
In History
  • Convocação da Assembleia dos Estados Gerais

    Convocação da Assembleia dos Estados Gerais
    A população francesa da época era divida em três estados: o Primeiro (alto e baixo clero), o Segundo (nobreza cortesã, provincial e de toga) e o Terceiro (camponeses, sans-cullotes e pequena, média e alta burguesia - 95% pop.).
    O contexto histórico para convocação era: miséria e fome no Terceiro estado, crise no setor têxtil e nas finanças públicas e envolvimento em conflitos externos (Ind. dos EUA), além do descontentamento do Terceiro estado (altos impostos e sem representatividade política).
  • Formação da Assembleia Nacional Constituinte

    Após grande pressão do Primeiro e Segundo estados para a convocação da AEG, grande parte do Terceiro estado se fez presente (representando o descontentamento com a situação em que viviam).
    Visando reformas no sistema político francês, como o princípio da soberania nacional contra a monarquia absoluta de direito divino, o Terceiro estado se revoltou na sala do jogo da Péla (Squash) e convocou uma ANC unilateralmente, sem aprovação da AEG e do rei, Luís XVI.
  • Tomada da Bastilha em Paris

    Tomada da Bastilha em Paris
    Revoltas de grupos revolucionários do Terceiro estado, motivados pelo seu grande descontentamento e pela falta de legitimidade da ANC, pipocaram por toda a capital francesa, chegando até a Bastilha (símbolo do absolutismo) e libertando presos políticos e se apropriando de armas guardadas no prédio.
    Com o fato, Luís XVI decide reconhecer a ANC legítima, para evitar maiores danos.
    A ANC, então, é forçada a tomar medidas para acalmar os revolucionários ("Grande Medo").
  • Fuga de Luís XVI para a Áustria

    Fuga de Luís XVI para a Áustria
    Luís XVI conspirava contra a revolução para restabelecer o poder absolutista e acaba fugindo para a Áustria, mas é capturado pelo exército revolucionário na fronteira.
  • Início da Monarquia Constitucional na França

    É aprovada a nova constituição de 1791, junto com a Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão, decretando o fim do absolutismo na França. NC: tripartição do poder; voto censitário; igualdade jurídica; liberdade de produção e comércio (sem intervenção estatal); laicização do Estado (CCC); fim dos direitos senhoriais; fim dos privilégios tributários do clero e da nobreza. DDHC: liberdade e igualdade dos cidadãos; direito a propriedade individual; liberdade de opinião e pensamento; etc.
  • Derrota das forças contrarrevolucionárias

    Derrota das forças contrarrevolucionárias
    Na Batalha de Valmy, as forças contrarrevolucionárias (exilados que estavam na Prússia) são derrotadas, sendo proclamada a república no dia seguinte, com nova constituição (agora republicana), dissolvendo a ANC.
  • Convenção Nacional e proclamação da república

    Convenção Nacional e proclamação da república
    Período da primeira república francesa, acaba apenas em 26 de outubro de 1795.
    Dividida entre três forças políticas: girondinos (alta burguesia - direita), jacobinos (pequena e média burguesia - esquerda) e planície (burguesia moderada - centro).
  • Guilhotina da família real

    Guilhotina da família real
    Jacobinos pressionavam na Convenção para a morte de Luís XVI e sua família, condenados por traição à revolução. Girondinos defendiam o rei e não queriam sua morte. Porém, os jacobinos acabam conseguindo vencer o julgamento.
  • Constituição da República de 1793

    Estabelecia: sufrágio universal (cidadãos homens maiores de 21 anos), felicidade como finalidade do governo, direito de rebelião (mediante violação dos direitos do povo), direito de trabalho e de subsistência, direito à liberdade, direito à segurança antes da propriedade, esboço do princípio da seguridade social, etc.
  • Convenção Jacobina

    Convenção Jacobina
    Jacobinos tomam a Convenção Nacional, inaugurando a Ditadura Jacobina, ou "Período do terror", liderados por Maximilien de Robespierre. Criação de duas instituições: o Comitê de Salvação Pública (controle do exército e da administração pública) e o Tribunal Revolucionário. Medidas tomadas: tabelamento de preços ("Lei do máximo"); aumento de impostos para os mais ricos; abolição da escravidão nas colônias; maior proteção legal para os mais pobres; conquistas no setor militar; etc.
  • Reação Termidoriana

    Robespierre é condenado e guilhotinado, restaurando o poder dos girondinos, na chamada Reação do Termidor, decretando o final do "terror jacobino".
  • Governo do diretório

    Golpe de Estado dos girondinos e planície, após a Reação do Termidor, que dissolveu a Convenção Nacional.
    Nova constituição: França ainda é republicana, mas é controlada pelo diretório (grupo com 5 membros) - contém o descontentamento popular.
    Medidas: restauração da escravidão nas colônias e fim do tabelamento de preços ("Lei do máximo").
    Período de instabilidade na política externa: França constantemente ameaçada pelas forças absolutistas vizinhas.
  • Conspiração dos iguais

    Liderada por Graco Babeuf, exigia igualdade social e a volta da Constituição jacobina de 1793. (data incorreta com propósito de apenas marcar o mês e ano que ocorreu)
  • Golpe de 18 de Brumário

    Golpe de 18 de Brumário
    Napoleão Bonaparte, até então um dos 5 membros do Diretório, dissolveu a instituição e tomou o poder, estabelecendo o consulado.
    No poder, consolidou as conquistas da alta burguesia e fechou o ciclo revolucionário.
  • Constituição do ano VIII (1799)

    Aprovada em plebiscito. Características: 3 cônsules com mandatos de 10 anos, sendo o Grande Eleitor (Napoleão) e outros 2 cônsules (reforma administrativa); restabelecimento do sufrágio universal; reformas financeira (estabilização da moeda e criação do Banco da França) e judicial (côrtes de apelo, juízes nomeados pelo governo e unificação jurídica). Período de estabilidade política e pacificação interna (Paz de Amiens e Plano religioso), gerando apoio popular e exoneração de críticos.
  • Consulado vitalício (1802-1804)

    Constituição do ano X (1802), aprovada em plebiscito, proclamava Napoleão como cônsul vitalício. Reforma educacional: criação dos liceus; formação de oficiais e funcionários; satisfação das necessidades da burguesia; disciplina militar. Progresso econômico: criação do Franco germinal em 1803 (moeda estável e estímulo a atividades econômicas), construção de grandes obras públicas e desenvolvimento da manufatura têxtil.
  • Compra da Louisiana

    Compra da Louisiana
    Louisiana fora entregue a França pela Espanha e, durante as guerras napoleônicas, foi vendida por US$15 milhões para aumentar o caixa francês.
  • Independência do Haiti

    Independência do Haiti
    O território do Haiti (ilha de Santo Domingo) declarou-se independente da França
  • Código civil

    Código civil
    Grande criação napoleônica do Consulado Vitalício. Características: garantia ao direito à propriedade, família como base da sociedade e consolidação dos ideais burgueses.
  • Primeiro Império francês (1804-1815)

    Constituição do ano XIII, aprovada em plebiscito, confiava o governo da república ao Imperador Napoleão. Sufocamento do espírito revolucionário: centralização do poder com apoio popular e ditadura com aparência de democracia. Controle total: redução do poder de assembleias deliberantes; suspensão de liberdades públicas; censura à imprensa, teatros e literatura impressa. Catecismo imperial (1806): subordinação da Igreja ao Estado.
    Monopólio da instrução: ensino secundário (liceus) e superior.
  • Conflitos e expansão territorial francesa (1805-1814)

  • Formação da Terceira Coligação

    Com grande inquietação e sentimento de repentina expansão francesa, Rússia, Áustria e Reino Unido se unem na Terceira Coligação. (mês e dia são aleatórios)
  • Batalha de Austerlitz

    Batalha de Austerlitz
    Napoleão derrota as tropas austro-russas.
  • Tratado de Presburgo

    Assinado entre França e Áustria, extinguia o antigo Sacro Império Romano-Germânico, fundando a Confederação do Reno, e colocava José e Luís Bonaparte como reis de Nápoles e dos Países Baixos, respectivamente.
  • Quarta Coligação (10/1806-07/1807)

    Associação entre Rússia, Reino Unido e Prússia, que culminou na derrota dos prussianos e na tomada de Berlim. (dia aleatório, apenas com o objetivo de marcar o mês)
  • Bloqueio Continental do Reino Unido

    Bloqueio Continental do Reino Unido
    Decreto de Berlim de 1806 proibia a Europa de comercializar com os ingleses (tentativa de enfraquecimento francês).
  • Invasão de Portugal

    Invasão de Portugal
    Dividido entre apoiar os franceses, que ainda contavam com ajuda da Espanha, ou os ingleses, aliado histórico do reino português, Dom João VI acaba aceitando a ajuda do Reino Unido e foge para o Brasil, transferindo toda a sede do reino para o Rio de Janeiro, com Portugal acabando invadido.
  • Invasão da Espanha

    França e Espanha acabam rompendo, com a primeira invadindo o território espanhol e depondo seu rei.
  • Controle da Europa continental

    Controle da Europa continental
    Territórios europeus submetidos a França: controlados por Napoleão ou familiares; presença de vários acordos e tratados; Reino Unido permanecia inabalável; abolição de direitos feudais, introdução do código civil e igualdade nas regiões conquistadas. (mês e dia apenas simbolizam o que ocorria após a invasão da Espanha, portanto são aleatórios)
  • Declínio francês

    Economia das regiões ocupadas estão prejudicadas pelo bloqueio continental, com incapacidade da França em suprir demandas e bloqueio desrespeitado na Áustria e na Rússia. Rússia também rompe acordo com a França e exige a retirada das tropas francesas da Prússia. (data não representa fielmente o tempo em que começou o declínio)
  • Guerra de libertação da Espanha

    Guerrilha popular que expulsou tropas francesas e restaurou Fernando VII no trono.
  • Campanha da Rússia

    Campanha da Rússia
    França forma aliança com imperador austríaco, forma o Grande Exército (700 mil soldados) e declara guerra à Rússia.
    Rússia utiliza estratégia de terra arrasada (território sem suprimento e abrigos precários), dificultando a ofensiva francesa e ganhando tempo até o inverno. Moscou foi esvaziada e posteriormente ocupada pela França (inútil). Tropas francesas (100 mil soldados) acabam batendo em retirada logo em seguida, com frio, fome, doenças e em meio a contra-ataques russos.
  • Constituição liberal espanhola

    Criada com participação de Crioulos e Chapetones, foi responsável por reorganizar as colônias espanholas nas Américas, porém acabou acirrando disputas (crioulos queriam autonomia econômica e política).
  • Formação da sexta coligação

    Com a invasão francesa na Rússia, ocorreu a criação da sexta coligação, com o intuito de derrotar as tropas francesas, entre Reino Unido, Áustria, Rússia e Prússia.
    (data é fictícia, apenas para marcar o mês)
  • Batalha de Leipzig

    Batalha de Leipzig
    Derrota do exército francês perante a sexta coligação.
  • Recoroação de Fernando VII da Espanha

    Recoroação de Fernando VII da Espanha
    Restauração do poder absoluto e abolição da constituição de 1812.
  • Tomada de Paris

    Paris é tomada pelas tropas da sexta coligação.
  • Acordo de Fontainebleau

    Napoleão é declarado culpado pela guerra e forçado a abdicar do trono Imperial, sendo exilado e preso na ilha de Elba. A monarquia Bourbon é restaurada na França.
  • Governo dos cem dias

    Napoleão foge do exílio em Elba, faz passeatas por Paris e retorna ao poder através de um ato adicional (limitação de poder).
  • Congresso de Viena

    Presidido pelo Príncipe de Matternich, desejava fortalecer o Império Austríaco perante a Europa. Medidas: princípio de legitimidade das fronteiras e do equilíbrio entre as potências; restauração das fronteiras e casas reais (Bourbons retomam o poder na França, Espanha e Reino de Nápoles); Roma é devolvida ao Papa; Família Bragança retorna para Portugal. Foram firmadas alianças militares entre os reinos vencedores para evitar novas instabilidades na região.
  • Batalha de Waterloo

    Batalha de Waterloo
    Depois de retornar ao poder, Napoleão reúne um exército com 124 mil homens e decide invadir a Bélgica. Acaba perdendo em Waterloo para o Duque inglês de Welligton.
  • Coroação de Luís XVIII

    Coroação de Luís XVIII
    Reinado marcado por instabilidades políticas (absolutistas x bonapartistas) e mantido pela quádrupla aliança (evitam novas revoluções).
  • Carta da Jamaica

    Documento no qual Simón Bolívar discute a necessidade da existência da Confederação Hispano-Americana, que seria responsável pela conservação da língua, religião, costumes, etc., quando as colônias da américa espanhola fossem libertas.
  • Santa Aliança

    É firmada a Santa Aliança, entre o Império Austríaco, a Prússia e a Rússia. Inspirada em princípios cristãos e absolutistas, foi uma manobra do Príncipe de Matternich para afastar o Reino Unido e prevalecerem os interesses austríacos.
  • Exílio final e prisão

    Napoleão é exilado pelos britânicos na ilha de Santa Helena. Acaba morrendo na ilha.
  • Quádrupla Aliança

    Foi firmada a união do Reino Unido à Santa Aliança, que foi renomeada.
  • Independência da Argentina

    Independência da Argentina
    Exército dos Andes, de José de San Martín, liberta a Argentina.
  • Independência do Chile

    Independência do Chile
    Exército dos Andes, de José de San Martín, liberta o Chile.
  • Independência da Venezuela

    Independência da Venezuela
    Exército republicano, de Simón Bolívar, liberta a Venezuela.
  • Independência da Colômbia

    Independência da Colômbia
    Exército republicano, de Simón Bolívar, liberta a Colômbia.
  • Motim de Cádis

    Exército espanhol força a renúncia de Fernando VII, o que faz as forças reais voltarem para a metrópole e enfraquecer a defesa das colônias, abrindo oportunidade para o avanço dos movimentos de independência restantes.
  • Compra da Flórida

    Espanha estava focada nas Guerras de Independência de suas colônias, deixando a Flórida de escanteio. Para evitar um futuro conflito com a coroa espanhola, os EUA compraram o território da Flórida por US$5 milhões.
  • Independência do Equador

    Independência do Equador
    Exército republicano, de Simón Bolívar, liberta o Equador.
  • Encontro de Guayaquil

    José de San Martín e Simón Bolívar se reúnem no Equador para discutirem o futuro dos recém criados países da antiga América do Sul espanhola.
    Bolívar e o republicanismo prevalecem, enquanto San Martín partiu para exílio na Europa.
  • Doutrina Monroe

    Criada pelo presidente estadunidense James Monroe (1817-1825), tinha como principal máxima a "América para os americanos", na qual os EUA seriam os protetores dos novos países latino-americanos contra ameaças europeias de recolonização.
    Na prática, foi "6 por meia dúzia", uma vez que os Estados Unidos apenas assumiu o lugar deixado pelos países europeus, fazendo um "imperialismo informal".
  • Independência do Peru

    Independência do Peru
    Exército republicano, de Simón Bolívar, liberta o Peru.
  • Coroação de Carlos X

    Coroação de Carlos X
    Durante seu reinado houve a restauração dos privilégios da nobreza, suspensão de liberdades individuais, crescimento da instabilidade política e forte oposição popular.
    Acabou fugindo do país (ver Revolução de Julho).
  • Independência da Bolívia

    Independência da Bolívia
    Exército republicano, de Simón Bolívar, liberta a Bolívia.
  • Congresso do Panamá

    Idealizado por Bolívar, contou com representantes do México, da Federação Centro-americana (Guatemala, Honduras, El Salvador, Nicarágua e Costa Rica), da Grã-Colômbia (Colômbia, Venezuela, Equador e Panamá) e do Peru (junto com Bolívia).
    Teve como principal intuito, reforçar a unidade das recém criadas repúblicas da antiga América espanhola, com o propósito de se unirem militarmente e evitarem um processo de recolonização.
  • Revolução de Julho

    Durou de 27/07 a 29/07.
    Conhecida por Três Dias Gloriosos, foi uma sublevação popular contra o Rei Carlos X, a favor de uma liderança burguesa, de caráter liberal e nacionalista.
    Terminou com a fuga de Carlos X, após confrontos com as tropas reais, e a formação de uma nova monarquia burguesa.
  • Coroação de Filipe de Orleans

    Coroação de Filipe de Orleans
    Governo formado com a Revolução de Julho, defendeu os interesses da alta burguesia (!) e promulgou uma nova constituição (caráter liberal e com voto censitário), excluindo as classes populares.
  • Criação da Zolverein

    Criação de uma União Aduaneira dos territórios germânicos, imposta pela Prússia, e excluindo o Império Austríaco.
    Teve como principal objetivo, a expansão econômica do então Reino da Prússia, sob a liderança do Rei Guilherme I Hohenzollern e do Chanceler Otto Von Bismarck.
  • Primeira Guerra do Ópio

    Primeira Guerra do Ópio
    Começou com o fechamento do porto de Macau pelos chineses e apreensão de navios ingleses. Tentando viciar a população de Macau em ópio, o Reino Unido usou a apreensão dos navio como motivo para invadir a China.
    Termina com vitória dos europeus, pela seu amplo desenvolvimento tecnológico.
    Tratado de Nanquim (29/08/1842): a China cede Hong Kong ao Reino Unido, abre 5 portos e faz acordos comerciais forçados.
  • Destino Manifesto

    Destino Manifesto
    Mencionado pela primeira vez pelo jornalista John O'Sullivan, foi uma doutrina política e religiosa americana que defendia a inevitabilidade e justificabilidade da ocupação das terras da América do Norte pelos estadunidenses: missão para civilizar e auxiliar os territórios considerados selvagens e atrasados.
    Utilizada para o início da "Marcha para oeste", bem como para expulsão e extermínio de populações ameríndias que resistissem ao avanço.
    (mês e data fictícios)
  • Anexação do Texas

    Era aberto para colonos americanos desde 1823, mas com legislação mexicana. Colonos declararam independência em 1836, mas foi contida pelo exército mexicano, que em 1845 acabou perdendo o controle da região para o exército americano.
  • Anexação do Oregon-Washington

    Reino Unido cedeu a região dos atuais estados do Oregon, Washington e Idaho de sua colônia na América do Norte (Canadá).
  • Anexação da Califórnia

    Anexação da Califórnia
    Após vários conflitos, o governo mexicano foi obrigado a assinar o tratado de Guadalupe-Hidalgo, que dava a região da Califórnia (Nevada, Arizona, Novo México, Utah) aos EUA.
    Com essa conquista, surgiram mais oportunidades para crescimento econômico para os EUA: pecuária nas planícies texanas, agricultura nas margens do Mississipi e as minas de ouro da Califórnia.
    (território em vermelho)
  • Primavera dos Povos

    Primavera dos Povos
    Levante da população em Paris (protagonismo das classes trabalhadoras) de caráter liberal e nacionalista, que acabou com a proclamação da Segunda República francesa.
    Houve uma expansão do espírito revolucionário pelo mundo (Império Austríaco tornou-se Império Austro-Húngaro em 1867, por exemplo).
  • Início da Segunda República francesa

    Assembleia constitucional: voto universal masculino e criação das oficinas nacionais (influência do socialismo utópico).
  • Eleição de Luís Bonaparte

    Eleição de Luís Bonaparte
    Com a defesa dos interesses burgueses, Luís Bonaparte vence as eleições.
    Havia uma ilusão de que a eleição de Luís trouxesse os bons tempos do governo de seu tio, Napoleão Bonaparte.
  • Golpe de Estado de Luís Bonaparte

    Luís fecha a Assembleia e outorga uma nova constituição (poderes ditatoriais)
  • Golpe de 18 de Brumário de Luís

    Luís Bonaparte proclama o Segundo Império da França, tornando-se Napoleão III.
  • Compra do Arizona-Novo México

    Compra do Arizona-Novo México
    Estados Unidos compram uma pequena região do norte mexicano (atual extremo sul do Arizona e Novo México).
    (território em laranja)
  • Tratado de Kanagawa e Expedição Americana

    Tratado de Kanagawa e Expedição Americana
    Isolado do resto do mundo, o Japão vivia uma sociedade ruralizada, em xogunatos (descentralização política) e com elites militares (samurais) - o feudalismo japonês.
    Em 1853, visando uma abertura, houve uma expedição americana, liderada pelo Comodoro Perry que terminou na assinatura do tratado de Kanagawa, criando uma zona de livre comércio entre os países e abrindo o Japão à influências estrangeiras.
  • Revolta dos Sipaios

    Revolta dos Sipaios
    Durou até agosto de 1858.
    Tropas indianas sob comando inglês se revoltaram com o desrespeito do Reino Unido pela cultura hindu (rendeu amplo apoio popular).
    Reino Unido respondeu a altura e reprimiu a revolta, assumindo o controle definitivo do governo indiano.
  • Segunda Guerra de Independência italiana

    Segunda Guerra de Independência italiana
    Uma série de conflitos entre o Reino Sardo-Piemontês, com ajuda da França, contra a Áustria, pelo domínio da região da Lombardia-Vêneto.
    O movimento fazia parte do "Risorgimento": um discurso nacionalista de unificação italiana sob o governo do Rei Vitor Emanuel II, da Sardenha-Piemonte.
    Terminou com a conquista do reino da Lombardia pelos sardo-piemonteses, sem a anexação do Vêneto, uma vez que a França, por motivos internos, abandonou o conflito. Nice e Savóia foram anexados pela França.
  • Expedição dos 1000 camisas vermelhas

    Expedição dos 1000 camisas vermelhas
    Movimento popular e republicano (influência de 1848), liderado por Giuseppe Garibaldi, que derrubou a monarquia Bourbon do governo do Reino das Duas Sicílias.
  • Eleição de Abraham Lincoln

    Eleição de Abraham Lincoln
    O antiescravista e republicano, Abraham Lincoln, defensor do projeto nortista (industrialização e trabalho livre), vence as eleições.
    As colônias do Norte e Sul dos Estados Unidos tiveram um desenvolvimento muito diferente. O norte, rico e desenvolvido, era industrializado, de trabalho livre e assalariado e com pequenas propriedades, enquanto o sul, pobre e subdesenvolvido, era no sistema plantation.
    Os estados do sul não aceitam os resultados e se separam, formando os Estados Confederados.
  • Proclamação do Reino da Itália

    Em Nápoles (Cerco de Nápoles), os líderes dos movimentos de unificação, Rei Vitor Emanuel II e Conde de Cavour, do Reino Sardo-Piemontês, e Giuseppe Garibaldi, das Duas Sicílias, se unem e proclamam o Reino da Itália.
    A união deixou apenas um território na península italiana a ser anexado, os Estados Papais.
  • Guerra de Secessão

    Guerra de Secessão
    Ataque do Fort Sumter, Carolina do Sul, pelo exército confederado marca o início da Guerra Civil americana.
    A União (norte) possuia ampla vantagem numérica e bélica sobre o sul, que dependia de importações e não podia empregar escravos no exército.
    A cada estado novo que se organizava, os beligerantes dividiam entre escravistas e antiescravistas
  • Lei do Homestead (Confisco de Terras)

    Foi um projeto da União para impedir a influência dos Confederados nas novas regiões que se formavam, dando terras para aqueles que quisessem se tornar um colono nessas regiões.
    O objetivo foi alcançado e enfraqueceu o modelo sulista em novos estados.
  • Lei de Emancipação dos Escravos

    Promulgada pela União, libertava todos os escravos dos Estados Unidos, a fim de desestabilizar a situação social dentro dos estados confederados.
  • Guerra dos Ducados

    Guerra dos Ducados
    Instabilidades no trono dinamarquês, enfraqueceram os ducados de Elsévico e Holsácia, ricos em carvão e ferro, matérias-primas essenciais para a produção industrial da época.
    Tendo isso em vista, a Prússia, reino limítrofe e industrializado, viu a oportunidade de anexar as regiões. Para isso se aliou a Áustria (que detinha o controle de pequenos reinos centrais da Alemanha).
    A Dinamarca perde Elsévico-Holsácia após uma guerra fácil para os austro-prussianos.
  • Batalha de Appomattox Court House

    Batalha de Appomattox Court House
    No estado confederado da Virgínia, travou-se a batalha final da Guerra de Secessão.
    Com o domínio nortista da capital Richmond, o General confederado, Robert Lee, rendeu-se, pondo um fim a guerra.
    No mesmo ano, foi promulgada a 13ª emende, que proibia a escravidão em todo o território dos EUA.
    A falta de um projeto de reconstrução radical (direitos civis da população negra) ou de moderação e apaziguamento (indenização aos senhores) vai ocasionar a luta por direitos negros durante o século XX.
  • Guerra das Sete Semanas

    Prússia e Áustria entraram em conflito sobre a administração dos ducados de Elsévico e Holsácia.
    Com vitória prussiana, há a consolidação de sua influência sobre os territórios centrais e da hegemonia dos ducados.
  • Conquista do Vêneto

    Conquista do Vêneto
    Com a vitória da Prússia na Guerra das Sete Semanas, o Reino da Itália, que lutou ao lado dos prussianos, conseguiu anexar definitivamente o Vêneto, até então administrado pela Áustria.
  • Compra do Alasca

    Compra do Alasca
    Os EUA compram o Alasca, até então uma região esquecida pelo Império Russo, por pouco mais de US$7 milhões.
  • Coroação do Imperador Meiji no Japão

    Coroação do Imperador Meiji no Japão
    Início de uma série de reformas no império (modernização e ocidentalização): centralização política; contratação de técnicos estrangeiros e envio de estudantes para o exterior; zaibatsus (conglomerados industriais familiares); formação de uma nova elite burguesa; perseguição aos samurais; e, por fim, um novo fechamento ao exterior.
    Imperialismo no Oriente: guerras contra a Rússia e a China e conquista de colônias no pacífico.
  • Guerra Franco-Prussiana

    Napoleão III queria impedir a sucessora do trono prussiano de se casar com um membro da corte espanhola (sanduíche de França). Guilherme I tem sua autoridade ofendida, e o embaixador francês, Conde Vincent Benedetti fica insultado com o despacho feito pelo Chanceler Bismarck em Bad Ens.
    Com isso, a França declara guerra a uma Prússia superior, unida a outros estados germânicos submetidos.
  • Batalha de Sedan

    Batalha de Sedan
    Napoleão III é preso pelos prussianos (fortalecimento do nacionalismo alemão)
  • Início da Terceira República francesa

    Após a batalha de Sedan, a França teve que se recompor e proclamar uma república rapidamente, a fim de continuar a guerra franco-prussiana que estava em andamento.
    Após a derrota na guerra, a desaprovação popular leva ministros a se refugiarem em Paris, mas a população acaba os expulsando (Comuna de Paris).
  • Conquista de Roma

    Conquista de Roma
    Com a proteção da França, os Estados Papais resistiram ao domínio do Reino da Itália. Porém, com a declaração de guerra a Prússia, as tropas francesas não mais protegeriam Roma.
    No mesmo ano, o Reino da Itália finaliza a unificação, conquistando Roma e declarando-a como sua capital.
    Questões pendentes: Trentino e ístria são anexados só em 1919, Papa fica insatifeito com a perda de territórios (Vaticano em 1929) e fragmentação de um discurso nacionalista fraco (regionalismo forte).
  • Comuna de Paris

    Comuna de Paris
    Governo popular (autogestão, democracia e igualdade entre os cidadãos).
    Governo francês faz aliança com a Alemanha, bombardeando e retomando a capital (20 mil mortos, com alguma resistência).
    Fim se deu 72 dias após a criação.
  • Tratado de Frankfurt

    Tratado de Frankfurt
    Rendição formal da França, Prússia anexa a Alsácia-Lorena e auxílio na derrota da comuna de Paris (Alemanha).
    Nascimento da Alemanha, após submissão política dos territórios germânicos centrais a Prússia e coroação do Imperador Guilherme I (Segundo Reich).
  • Conferência de Berlim

    Conferência de Berlim
    Resulta de uma série de fatores ideológicos e econômicos: neocolonialismo (exploração da mão de obra e da matéria prima), fardo do homem branco e darwinismo social (submissão das populações africanas e imposição da cultura europeia).
    Dividiu o território africano, desconsiderando as particularidades locais (fronteiras artificiais) e levando em consideração as ocupações europeias já em andamento.
  • Fundação do POSDR

    Partido Operário Social Democrata Russo (POSDR), criado em Minsk (atual Bielorrúsia), estava dividido em 2 áreas: mencheviques (burguesia industrial) e bolcheviques (operários). Será a cabeça-chave da Revolução Russa, 19 anos após sua criação.
  • Conquista do Havaí

    Conquista do Havaí
    EUA conquistam o arquipélago havaiano, antes sob domínio japonês.
  • Revolta dos Boxers

    Revolta dos Boxers
    Até 07/09/1901.
    Ocorreu em Pequim, com ações violentas contra estabelecimentos comerciais e diplomático europeus (fortalecimento do nacionalismo chinês)
    Houve uma violenta repressão por parte das forças imperialistas (bombardeio de Pequim).
  • Política do "Big Stick"

    Política do "Big Stick"
    Política criada pelo presidente Theodore Roosevelt (1900-1909), alcançou a máxima influência econômica e política americana sobre a América Central e do Sul. Em seu discurso de 02/09, o presidente disse: "fale manso e carregue um grande porrete" (ameaça gentil). Cuba: influência no processo de independência (Guerra Hispano-americana), Emenda Platt e Baía de Guantánamo. Panamá: auxílio na independência (Colômbia) e controle do Canal do Panamá até 1977.
  • Guerra Russo-Japonesa

    Guerra Russo-Japonesa
    Império Russo e Império Japonês entraram em conflito pelo domínio da Manchúria (China). Imp. Russo sai derrotado e entra em crise econômica (altos gastos)
  • Domingo Sangrento

    Domingo Sangrento
    Repressão violenta do governo do Czar Nicolau II contra uma sublevação popular que pedia mudanças no regime socioeconômico russo.
  • Criação da Duma

    Criação da Duma
    Espécie de parlamento russo, criado pelo czar para controlar as pressões e o ânimo público.
  • Antecedentes da Primeira Guerra Mundial

    Antecedentes da Primeira Guerra Mundial
    Disputas imperialistas: atritos econômicos e coloniais (Itália e Alemanha - poucas colônias);
    Revanchismo francês: derrota na Guerra Franco-prussiana (Alsácia-Lorena);
    Disputa naval entre Reino Unido e Alemanha;
    Paz Armada: desenvolvimento bélico-industrial e tensão militar (espera por uma guerra de grandes proporções);
    Tríplice aliança: Alemanha, Áustria-Hungria e Itália;
    Tríplice entente: França, Reino Unido e Rússia;
    Pan-eslavismo (liderança da Sérvia) X Pan-germanismo (influência da Áustria)
  • Atentado de Sarajevo

    Atentado de Sarajevo
    Extremistas sérvios matam o arquiduque austríaco Francisco Ferdinando na capital da Bósnia. A Áustria-Hungria culpa o governo sérvio pelo assassinato.
  • Cheque em branco da Alemanha

    Buscando aliar forças para um possível conflito contra o governo sérvio, o Império Austro-Húngaro recorreu a ajuda dos alemães. Nesse sentido, a Alemanha se comprometia a apoiar o Império numa eventual guerra contra a Sérvia.
  • Ultimato do Império Austro-Húngaro

    Ultimato do Império Austro-Húngaro
    Uma carta do governo austríaco que continha vários pontos a serem adotados pelo Reino da Sérvia, após o assassinato de seu arquiduque, Francisco Ferdinando.
    Acredita-se que o ultimato apenas serviu para, quando a Sérvia o rejeitasse, o Império declarar uma "guerra justa".
  • Período pré-preparatório do Império Russo

    Período pré-preparatório do Império Russo
    O Império Russo declarou um estado pré-preparatório para uma eventual guerra, para ajudar os sérvios, como "mãe" dos países eslavos e para recuperar o prestígio e influência na Europa, perdidos com a Guerra Russo-Japonesa, a anexação da Bósnia pela Áustria-Hungria (1908) e para evitar um possível fechamento do estreito de Dardanelos pelo Império Turco-Otomano.
    O início do período pré-preparatório para uma guerra pela Rússia aconteceu, estranhamente, antes da rejeição do ultimato pelos sérvios.
  • Declaração de Guerra a Sérvia

    Declaração de Guerra a Sérvia
    Após a rejeição do ultimato pelos sérvios, a Alemanha achava que o Império Austro-Húngaro não declararia guerra, o que se mostrou totalmente o contrário.
    Três dias depois, o despreparado exército austro-húngaro atacou e bombardeou a cidade de Belgrado, capital do Reino da Sérvia.
  • Declarações de Guerra

    01/08/1914: Alemanha declara guerra a Rússia;
    03/08/1914: Alemanha declara guerra a França;
    04/08/1914: Alemanha declara guerra a Bélgica, e Reino Unido declara guerra a Alemanha.
    23/08/1914: Japão declara guerra a Alemanha;
    25/08/1914: Japão declara guerra a Áustria-Hungria;
    Ainda em 1914, o Império Turco-Otomano e a Itália entram na guerra ao lado das potências centrais.
  • Tratado de Londres

    Tratado assinado entre a tríplice entente e a Itália, sobre a junção italiana ao grupo.
    Foi assinado sob segredo e se tornou conhecido apenas em 1917, ano em que a Itália definitivamente trocou de lado.
    O tratado ocorreu com várias ocupações territoriais que ganharia a Itália após o fim da Guerra, como a Ístria e Trentino, colônias alemãs na ásia e áfrica e um protetorado sobre a Albânia (por exemplo).
  • A guerra

    O conflito foi dividido em dois momentos: Guerra de movimento: movimento inicial do conflito e avanço dos exércitos europeus Guerra de trincheiras (característica da 1ª Guerra): trincheiras divididas pela "terra de ninguém", com pouco avanço territorial Desenvolvimento tecnológico: engajamento das universidades e cientistas, novas armas (aviões, tanques, granadas, químicos), alta produção industrial e alta mortalidade.
  • Revolução de Fevereiro

    Revolução de Fevereiro
    Amplo movimento popular que pedia o fim da participação na guerra, com liderança burguesa. Nicolau II abdica o trono e mencheviques assumem o governo provisório, mas Primeiro Ministro Alexander Kerensky (ex-Ministro da Guerra) mantém a Rússia na guerra.
  • Entrada dos EUA na Primeira Guerra Mundial

    EUA declaram guerra a Alemanha após ataques a navios americanos e interferência no México
  • Teses de Abril

    Escritas por Vladimir Lenin, era uma proposta bolchevique que visava "paz, pão e terra" para os russos.
  • Revolução de Outubro

    Revolução de Outubro
    Guarda Vermelha (braço armado do partido bolchevique), sob liderança de León Trótski, toma e dissolve a Duma. "Todo poder aos sovietes": Lenin assume o poder.
  • Os 14 pontos de Woodrow Wilson

    Os 14 pontos de Woodrow Wilson
    Medidas a serem adotadas após o fim da guerra: paz sem vencedores, desarmamento da Europa, livre comércio marítimo, proteção às minorias europeias, entre outros. Foram rechaçados fortemente pelos países europeus, que excluíram os Estados Unidos das decisões do fim da Guerra.
  • Tratado de Brest-Litovsky

    Tratado de Brest-Litovsky
    Rússia assina cessar fogo com Alemanha, retirando-se oficialmente da guerra após uma campanha muito fraca e que enfraqueceu a já combalida Rússia.
  • Armistício de Compiègne

    Armistício de Compiègne
    Cessar fogo assinado entre as potências europeias para encerrar as hostilidades do front ocidental.
  • Tratado de Versalhes

    Tratado de Versalhes
    Culpabilização da Alemanha pela guerra; abdicação do Kaiser e fim do II Reich (criação da República de Weimar); perda de territórios (Alsácia-Lorena, colônias e bacia carbonífera do Sarre); indenizações punitivas; desmobilização militar da Alemanha; formação da Polônia; dissolução do Império Turco-Otomano, Império Austro-Húngaro e do Império Russo (URSS); Humilhação da Alemanha e formação de um sentimento revanchista; Isolamento político e econômico dos EUA e criação da Liga das Nações.