Cola eletrônica.

  • 1 Polícia flagra cola eletrônica em pés de candidatos em vestibular em MT.

    1  Polícia flagra cola eletrônica em pés de candidatos em vestibular em MT.
    Como a cola foi realizada:

    O esquema de fraude no vestibular de medicina da Universidade de Cuiabá (Unic), segundo a Polícia Civil, contava com 24 estudantes que teriam contratado os serviços da quadrilha.
    As informações eram passadas com toques vibratórios. Um toque representava a letra ‘a’, dois toques eram a letra ‘b’ e assim sucessivamente, de acordo com a polícia. As informações eram passadas por um "piloto ", que realizou a prova e passou as informações do gabarito.
  • 2 Como foi decoberta a fraude.

    2 Como foi decoberta a fraude.
    como foi descoberta:
    A polícia afirma que, após denúncias de uma possível fraude no vestibular, agentes disfarçados de fiscais participaram do primeiro dia de prova. Na saída, candidatos suspeitos foram abordados. Com eles, foram encontrados celulares presos aos pés dos estudantes.
  • 3 Penalidades aplicadas.

    3 Penalidades aplicadas.
    Penalidade:
    O "piloto", de 19 anos, foi preso em flagrante com mais seis pessoas que participavam do esquema. Segundo a polícia, apesar de ser uma conduta imoral e antiética, não existe crime por receber informações por isso os candidatos foram ouvidos e liberados. link: http://g1.globo.com/educacao/noticia/2010/11/policia-flagra-cola-eletronica-em-pes-de-candidatos-em-vestibular-em-mt.html
  • 1 Denunciado por envolvimento em cola eletrônica.

    Como ocorreu:
    o suposto líder da quadrilha passava as respostas certas a M.A.D.L., que utilizava aparato eletrônico responsável pela transmissão das informações por meio de radiofrequência aos candidatos que pagavam pelo serviço.
    O dispositivo eletrônico utilizado consistia num colar colocado no pescoço do candidato, que funcionava simultaneamente como microfone e dispositivo de transmissão, e era ligado por um fio a um telefone celular. M.A.D.L. também teria usava uma escuta.
  • 2 Como a fraude foi descoberta:

    O servidor público foi denunciado por estelionato, formação de quadrilha e fraude para a Justiça Federal de Santos (SP)
    Segundo denúncia do Ministério Público Federal, o suposto líder da quadrilha foi quem repassou as respostas ao candidato M.A.D.L., via ponto eletrônico, e também a outro homem, conhecido como Pangaré; os dois faziam as provas na sala com os demais fraudadores.
  • Publicação da Lei 12.550/2011

    Publicação da Lei 12.550/2011
    Art. 311-A. Utilizar ou divulgar, indevidamente, com o fim de beneficiar a si ou a outrem, ou de comprometer a credibilidade do certame, conteúdo sigiloso de: I - concurso público;
    II - avaliação ou exame públicos;
    III - processo seletivo para ingresso no ensino superior; ou
    IV - exame ou processo seletivo previstos em lei: Está previstos em lei:Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa
    Pena - reclusão, de 1 (um) a 4 (quatro) anos, e multa.
  • Penalidade da ação de 7 de julho de 2011.

    Foi negado o habeas corpus. o acusado ficou preso preventivamente desde 17 de dezembro de 2010.
    Sua defesa alegava falta de justa causa para o prosseguimento da ação penal. afirmavam que ao prestar o concurso para auditor da Receita, buscava assumir um cargo público com melhor remuneração.
    A defesa pediu, ao final, o trancamento da ação penal contra o acusado.
    http://jurisway.jusbrasil.com.br/noticias/2612386/ministro-nega-seguimento-a-hc-em-favor-de-denunciado-por-venda-de-cola-eletronica
  • 1 Tentativa de cola eletrônica no concurso 2012 da Polícia Militar do Estado.

    1 Tentativa de cola eletrônica no concurso 2012 da Polícia Militar do Estado.
    Como a cola foi realizada:

    A tentativa de cola eletrônica no concurso 2012 da Polícia Militar do Estado,. Tonny Duarte, identificado como o cabeça da quadrilha, especializada em fraudar concursos públicos, e outras três pessoas tentavam repassar o gabarito da prova por meio de mensagem de celular para outros candidatos. Ele estava inscrito no concurso como concorrente a uma vaga de soldado no polo Marabá (PA) e cobrava R$10 mil, por pessoa, para repassar as respostas das provas.
  • 2 Como foi descoberta a fraude

    2 Como foi descoberta a fraude
    A “Operação Vibracall” foi deflagrada em razão de denúncias encaminhadas à UEPA e ao Comando da Polícia Militar do Estado.
    Ao sair do local da prova Tonny foi seguido pelos agentes até uma rua pouco movimentada do bairro da Nova Marabá. Na ocasião os policiais abordaram o veículo em que o acusado se deslocava e no interior encontraram material que comprovava a tentativa de fraude, como celulares, gabarito, ficha de inscrição e um revolver. Tonny e o motorista foram presos em flagrante.
  • 3 Penalidade da tentaiva de fraude.

    3 Penalidade da tentaiva de fraude.
    Tonny e o motorista foram presos em flagrante. As duplas ao final da prova foram abordados e presos por terem recebido o gabarito em seus celulares.
    Os presos foram conduzidos até a Superintendência da Polícia Civil de Marabá, onde foram autuados em flagrante por fraude em concurso (art. 311) e formação de quadrilha (art.288). link:
    http://g1.globo.com/educacao/noticia/2010/11/policia-flagra-cola-eletronica-em-pes-de-candidatos-em-vestibular-em-mt.html