Período Regencial

Timeline created by facebooker_996625323780210
In History
  • Regência Trina Provisória

    Regência Trina Provisória
    Composta por: Francisco de Lima e Silva, Joaquim Carneiro de Campos e Nicolau de Campos.
    Período de grandes revoltas contra seguidores do imperador.
    Reconduziram o ministério dos brasileiros ao poder;
    Anistiaram presos políticos;
    Exoneraram oficiais portugueses;
    Suspenderam a aplicação do Poder Moderador.
  • Regência Trina Permanente

    Regência Trina Permanente
    Composta por: Francisco de Lima e Silva, João Bráulio Muniz e José da Costa Carvalho.
    Representava uma tentativa de equilíbrio entre as forças do norte e do sul do país.
  • Período Descentralizador

    Período Descentralizador
    Guarda Nacional: São criadas para manter a obediência e a tranquilidade pública; e auxiliar o Exército de Linha na defesa das fronteiras e costas.
    Código de processo criminal: Dava enormes poderes aos juízes de paz.
    Ato adicional: Criou assembleias legislativas, aboliu o conselho de estado, criou o município neutro, tornou a eleição para regente eletiva e temporária e passou de 3 regentes para 1.
  • Disputas

    Disputas
    O carater descentralizador do novo governo e o processo eletivo das Assembléias Provinciais provocaram clima de acirrada disputa.
    Liberal x Conservadores
  • Una de Feijó

    Una de Feijó
    Teve de lidar com diversas revoltas
    As tendências políticas daquela época agora se agrupavam entre progressistas, de tendência liberal, e os regressistas, partido de orientação conservadora.
    Criação da Guarda Nacional
  • Revolta dos Malês

    Revolta dos Malês
    Foi uma rebelião de caráter racial, contra a escravidão e a imposição da religião católica
    O termo "malê" designava os negros muçulmanos, que sabiam ler e escrever o árabe.
    Ocorreu em Salvador, em janeiro de 1835.
  • Cabanagem

    Cabanagem
    A Cabanagem foi uma revolta popular que aconteceu entre os anos de 1835 e 1840 na província do Grão-Pará.
    Recebeu este nome, pois grande parte dos revoltosos era formada por pessoas pobres que moravam em cabanas nas beiras dos rios da região, chamados de cabanos.
    Sentiam-se abandonados pelo governo.
    Seu objetivo principal era a conquista da independência da província do Grão-Pará.
    Gerou uma sangrenta guerra entre os cabanos e as tropas do governo central.
    Após 5 anos a revolta foi reprimida.
  • Revolução Farroupilha

    Revolução Farroupilha
    Chamada de Guerra dos Farrapos (1835-1845), eclodiu no Rio Grande do Sul. Durou 10 anos e foi liderada pela classe dominante gaúcha, usaram as camadas pobres da população como massa de apoio no processo de luta.
    Descontentamento político com o governo imperial brasileiro;
    Busca por maior autonomia para as províncias;
    Revolta com os altos impostos cobrados.
    Duque de Caxias comandou uma ação para finalizar o conflito.
    Em 1845, farroupilhas aceitaram o acordo proposto por ele.
  • Sabinada

    Sabinada
    Teve início entre as elites militares, médicas e jornalistas baianas, seu idealizador foi Francisco Sabino.
    Os participantes se opuseram à mal resolvida questão da centralização política que se arrastava desde o início do Brasil Império.
    Obrigaram o governador a abandonar seu cargo. Logo após o golpe político, decretaram a criação da República Bahiense.
    O governo regencial nomeou um novo governador e organizou um destacamento de forças militares destinadas a dar fim ao levante.
  • Balaiada

    Balaiada
    Foi uma luta popular que sucedeu na província do Maranhão durante os anos de 1838 e 1841.
    A revolta surgiu como um levante social por melhores condições de vida e contou com a participação de vaqueiros, escravos e outros desfavorecidos.
    O nome dessa luta popular provém dos "balaios", nome dos cestos fabricados na região.
  • Período Conservador

    Período Conservador
    Grandes proprietários ameaçados por conflitos provinciais.
    Tinham medo de perder seus interesses, como propriedades e escravos.
    Setores da elite passaram a concentrar esforços para anular os dispositivos que ampliaram a autonomia provincial e, assim garantir o controle sobre o país, evitando a desagregação social e territorial.
    Medidas tomadas:
    Lei de Interpretação do Ato Adicional, recriação do Conselho de Estado, reforma do Código do Processo Criminal.