Friso Cronológico - Proteção Civil em Portugal

Timeline created by Américo Pereira
In History
  • 1343

    Epidemia - Peste Negra

    Epidemia - Peste Negra
    Durante este período, a Europa presenciou uma das piores fases em termos de saúde, sendo que, a epidemia Peste Negra marcou o futuro de todas as gerações, afetando de forma transversal a população portugesa e, consequentemente, foi causa de inúmeras mortes.
    De salientar que em termos gerais, faleceram mais de cerca de 30% da população da Europa.
  • Aug 23, 1395

    Carta Régia

    Carta Régia
    Um dos primeiros passos do início da Proteção Civil em Portugal, foi dado por D.João I, quando este fundou a Carta Régia, com o intuito determinar o primeiro Serviço que tinha como objetivo de realizar as supressões dos incêndios urbanos em Lisboa.
  • 1513

    Primeiras medidas contra incêndios

    Primeiras medidas contra incêndios
    Face ao crescimento da região de Lisboa, a Câmara Municipal foi pioneira no que concerne à implementação de medidas preventivas contra incêndios urbanos, em particular, as medidas visavam a proibição do lançamento de foguetes, o uso e venda de pólvora, entre outras medidas que visavam a mitigação das causas dos incêndios.
  • Jul 14, 1513

    Porto - Primeiro sistema de segurança noturna

    Porto - Primeiro sistema de segurança noturna
    Uns dos primeiros sistemas no domínio da proteção civil terá sido desenvolvido na Câmara Municipal do Porto, este sistema consistia num conjunto de encarregados que fiscalizavam os candeeiros a lume que iluminavam a cidade naquela época.
  • Medidas de Combate a Incêndios

    Medidas de Combate a Incêndios
    No reinado de D. Filipe III, constatou-se os primeiros passos no acesso de equipamentos e ferramentas adequadas para o combate, em particular, a disponibilidade de machados e baldes para o combate aos incêndios. Por outro lado, neste período temporal constatou-se que os carpinteiros, os pedreiros e os trabalhadores de escadas e baldes começaram a ser pagos pelo seu trabalho neste âmbito.
  • Lisboa - Os primeiros quartéis

    Lisboa - Os primeiros quartéis
    Ao longo da fita cronológica, verifica-se que a Capital de Portugal foi muitas das vezes a pioneira na evolução do domínio da Proteção Civil.
    Nesta linha de pensamento, no reinado de D. Afonso VI, concretamente no ano de 1678, foram instalados os três primeiros quartéis em Lisboa, que armazenavam material para o combate aos incêndios.
  • Regulamento - D. Pedro II

    Regulamento - D. Pedro II
    No enquadramento da realização de reformas nacionais, D. Pedro II foi responsável pela criação de um regulamento que visava determinar uma obrigação civil da sociedade acorrer ao combate dos incêndios urbanos.
  • Lisboa - Medidas de Prevenção de Incêndios

    Lisboa - Medidas de Prevenção de Incêndios
    Ainda no reinado de D. Pedro II, foram implemenatadas um conjunto de medidas de prevenção quanto a ignição de incêndios urbanos, como por exemplo, a proibição do uso de fogos de pólvora, pois esta era a principal causa dos incêndios em Lisboa.
  • Porto - Companhia da Bomba

    Porto - Companhia da Bomba
    Ao longo dos anos ocorreu o desenvolvimento da valência da Proteção Civil em outros pontos do Pais, assim deve-se realçar que no reinado de D. João V, foi fundada no Porto a "Companhia da Bomba", tendo como sua guarnição cerca de 100 operacionais, com o conhecimento técnico para operar a Bomba, machados e fouces.
  • Aquisição de Bombas-Tanque

    Aquisição de Bombas-Tanque
    No seguimento da evolução, a aquisição de equipamentos estabelecia uma evolução do domínio da Proteção Civil na época, de salientar que nesta perspetiva, D. João V foi responsável pela aquisição das primeiras 4 bombas-tanque, utilizando-se as mesmas com o auxílio de baldes.
  • Emprego da primeira-vez o conceito de Bombeiro

    Emprego da primeira-vez o conceito de Bombeiro
    De destacar que, pela primeira vez, já no ano de 1734, foi empregue o termo de bombeiro, referindo-se o mesmo aos operacionais mais aptos para o combate aos incêndios urbanos.
  • Lisboa - Sismo de 1755

    Lisboa - Sismo de 1755
    Na história de Portugal, o sismo de 1755 caracteriza-se como das catástrofes mais destrutivas que atingiram o pais nos últimos séculos. Com especial foco na destruição que ocorreu em Lisboa, esta ficou em parte em ruínas, sofrendo elevadas causalidades, não só do sismo e da respetiva destruição, mas também dos incêndios e maremoto consequente do sismo.
  • Serviço de Bombeiros

    Serviço de Bombeiros
    No decorrer da segunda metade do século XVIII, perante o crescimento dos serviços de bombeiros, foram determinadas diversas medidas no sentido de orientar e enquadrar a organização dos Bombeiros.
  • Mestre dos Calafate - Domingos da Costa

    Mestre dos Calafate - Domingos da Costa
    Domingos da Costa foi uma entidade muito importante na história da Proteção Civil, neste sentido, salienta-se que o mesmo foi considerado como o primeiro comandante dos "bombeiros" daquela época, sendo designado pelos títulos de Mestre dos Calafate e Capitão das Bombas.
  • Viana do Castelo - criação da "Companhia Bomba"

    Viana do Castelo - criação da "Companhia Bomba"
    Em 22 de março de 1780, a Câmara Municipal de Viana do Castelo deliberou criar a denominada "Bomba" para combater os incêndios, iniciativa primeira do que viria a constituir a "Companhia da Bomba".
    Assim, Viana do Castelo emparceirava com Lisboa e Porto,sendo a terceira cidade do Pais a ficar dotada de um corpo de bombeiros habilitados e devidamente apetrechados para o combate.
  • Nascimento de uma Companhia de 100 homens em Braga

    Nascimento de uma Companhia de 100 homens em Braga
    Criada oficialmente a 8 de Junho de 1799 a pedido do arcebispo Primaz de Braga D. Gaspar de Bragança ao rei D. João VI, permitiu através de uma provisão que a câmara de Braga formasse uma companhia de bombeiros. A equipa teria como missão a manobra de uma bomba braçal de combate ao fogo e atempada extinção dos incêndios, recém-adquirida em Inglaterra uns meses antes.
  • Guimarães - 1.ª Companhia

    Guimarães - 1.ª Companhia
    A Câmara Municipal de Guimarães foi responsável pela criação de uma Companhia de Bombeiros naquela região, constítuida essa por 60 operacionais e 2 bombas.
  • Madeira - Aluviões

    Madeira - Aluviões
    As inundações catastróficas das ribeiras da Ilha da Madeira recebem o nome regional de aluviões.
  • Mouzinho da Silveira

    Mouzinho da Silveira
    Mouzinho da Silveira declarou que o provedor tem o dever de evitar os incêndios.
  • 1.ª Lei de Administração Civil

    1.ª Lei de Administração Civil
    Artigo I
    O reino de Portugal divide-se para os efeitos
    administrativos em distritos, os distritos em concelhos e os concelhos em paroquias civis.
  • Guilherme Cossoul

    Guilherme Cossoul
    O fundador da Associação dos Bombeiros Voluntários de Lisboa em 1868
  • Bombas a vapor

    Bombas a vapor
    Conforme a expansão dos principais aglomerados populacionais, constatou-se uma importante necessidade no combate dos incêndios urbanos, nomeadamente a instalação de bocas de incêndios nos prédios. Nesta linha de pensamento, a partir do ano 1868, foram introduzidas as bombas a vapor, originando a obrigatoriedade supramencionado por parte dos proprietários dos prédios.
  • Alargamento das Áreas de Socorro

    Alargamento das Áreas de Socorro
    As associações de bombeiros, que tinham como objetivo a extinção de incêndios, aperceberam-se que podiam alargar a sua ação para áreas de socorro como: a urgência extra-hospitalar e os socorros a náufragos.
  • Escola de Bombeiros

    Escola de Bombeiros
    No ano de 1876, face a importância de especializar ainda mais a força dos bombeiros, foi constítuida a Escola de Bombeiros, dependente do Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa, localizada então na Rua da Inveja. Perante uma nova relaidade, iniciou-se o desenvolvimento de manobras, exercícios de salvamento e simulacros pelo País.
  • Primeiras pensões atribuídas aos bombeiros

    Primeiras pensões atribuídas aos bombeiros
    A realidade demonstrava que os operacionais desempenhavam um papel importantíssimo na segurança e integridade das sociedades e, neste sentido, foi decretado em 1878 um regulamento que obrigava as Câmaras a conceder pensões aos bombeiros em caso de ocorreram lesões durante o serviço.
  • Atribuição de responsabilidades aos Bombeiros

    Atribuição de responsabilidades aos Bombeiros
    Perante o desenvolvimento das capacidades dos bombeiros, foi desenvolvido alguns regulamentos que visavam determinar a atribuição de responsabilidades aos bombeiros, conferindo assim a responsabilidade de organizar os serviços ordinários (do dia-a-dia) e os serviços extraordinários para a extinção de incêndios, que contemplava a limpeza das chaminés.
  • Lisboa - Associação dos Bombeiros Voluntários

    Lisboa - Associação dos Bombeiros Voluntários
    Durante esta época deve ser realçada o crescimento do associativismo relacionado com o serviço de Bombeiros, pois este fenómeno reforçou a capacidade da resposta da valência da Proteção Civil da época. Assim, destaca-se a fundação de 82 associações de Bombeiros Voluntários.
  • Violento Temporal na Costa Portuguesa

    Violento Temporal na Costa Portuguesa
    Violento temporal assolou a costa portuguesa, tirando a vida a 105 dos cerca de 900 pescadores que estavam em faina.
  • Instituto de Socorros a Náufragos

    Instituto de Socorros a Náufragos
    Foi fundado em 1892, sob o alto patrocínio da Rainha D. Amélia
  • Prêmio Internacional - Bombeiros

    Prêmio Internacional - Bombeiros
    O primeiro prêmio internacional concedido aos bombeiros portugueses na atividade de combate a incêndios, foi entregue em França, nascendo desde então o lema "Vida por Vida".
  • Serviço de Incêndios de Lisboa

    Serviço de Incêndios de Lisboa
    Corpo de Bombeiros Municipais de Lisboa transita para a dependência do Ministério do Reino.
  • Guardas Florestais

    Guardas Florestais
    Criação dos Guardas Florestais remonta, com o Rei D.Carlos, a 1901, ano em que foi alcançada de forma moderna a organização da policia florestal através do Decreto de 24 de Dezembro de 1901.
  • 1.ª Ambulância dos Bombeiros

     1.ª Ambulância dos Bombeiros
    Primeira auto-maca em Portugal pertencente aos Bombeiros Voluntários Lisbonenses
  • Epidemia - Gripe Espanhola

    Epidemia - Gripe Espanhola
    A pneumónica, ou gripe espanhola, matou dezenas de milhares de pessoas entre os anos de 1918 e 1919, tendo sido mais mortal do qe a própria Epidemia da Peste Negra.
    Os últimos estudos em relação a esta epidemia concretizam a morte de cinquenta a cem milhões de pessoas em todo o mundo.
  • Dia do Bombeiro

    Dia do Bombeiro
    Criação do dia nacional do Bombeiro, atualmente festejado no ultimo domingo do mês de maio
  • Liga dos Bombeiros Portugueses

    Liga dos Bombeiros Portugueses
    Associação fundada em 1930, membro do Conselho Nacional de Bombeiros. Pretende confederar todas as associações e corpos de bombeiros.
  • 1.º veículo Motorizado de Combate a Incêndios

    1.º veículo Motorizado de Combate a Incêndios
    Pronto-Socorro "Hudson", primeiro veículo motorizado da Corporação, e respectiva guarnição, em frente do Quartelrks.
  • Concelho Nacional de Serviço de Incêndios

    Concelho Nacional de Serviço de Incêndios
    Cria, na Direcção Geral de Administração Política e Civil, o Conselho Nacional dos Serviços de Incêndios e define as suas atribuições.
    Decreto-Lei n.º 35746
  • Novo Regulamento Geral dos Corpos de Bombeiros

    Novo Regulamento Geral dos Corpos de Bombeiros
    Promulga o novo Regulamento dos Corpos de Bombeiros - Revoga o Decreto n.º 35857
  • Lisboa - Cheias

    Lisboa - Cheias
    As cheias provocada pelas chuvadas de 25 de Novembro de 1967 atingiram sobretudo as zonas baixas de Lisboa, Loures, Odivelas, Vila Franca de Xira e Alenquer, originando cerca de 700 mortes e a destruição de 20 mil casas.. As cheias arrastaram carros, árvores, animais e destruíram pontes, casas e estradas. No dia seguinte, os meios de socorro revelaram-se incapazes de prestar o apoio às populações atingidas e a sociedade civil mobilizou-se para ajudar as vítimas.
  • A criação do Sistema Nacional Proteção Civil

    A criação do Sistema Nacional Proteção Civil
    No decorrer do ano de 1975 constatou-se a origem do atual sistema de Proteção Civil, tendo o mesmo decorrido da publicação do Decreto-Lei n.º 78/75, de 22 de fevereiro, no qual estabelecia a criação do SNPC, bem como, a sua organização, as atribuições e competências ficaram estabelecidas no Decreto-Lei n.º 510/80, de 25 de outubro.
  • Madeira - Acidente aéreo

    Madeira - Acidente aéreo
    O Voo TAP Portugal 425 foi um voo comercial entre Bruxelas e Funchal operado pela TAP Portugal, no dia 19 de Novembro de 1977, com um Boeing 727-282 que se acidentou após uma tentativa de aterragem no Aeroporto da Madeira sob condições meteorológicas desfavoráveis.
    O sucedido provocou 131 vítimas mortais das quais 9 nunca chegaram a ser encontradas.
  • Serviço Nacional de Bombeiros

    Serviço Nacional de Bombeiros
    É criado no Ministério da Administração Interna o Serviço Nacional de Bombeiros, com atribuições de orientar e coordenar as atividades e serviços de socorro exercidos pelos corpos de bombeiros e assegurar a sua articulação, em caso de emergência, com o Serviço Nacional de Proteção Civil.
  • Lei Orgânica de Proteção Civil

    Lei Orgânica de Proteção Civil
    Em 1980 é publicado o Decreto-Lei n.o 418/80, no qual é vertida a Lei Orgânica da Proteção Civil, Decreto-Lei no 510/80, de 25 de Outubro, que implementou uma nova e autonomizada estrutura do Serviço Nacional de Bombeiros, designando as competências de orientar, coordenar e fiscalizar as atividades e serviços exercidos pelos corpos de bombeiros, assegurando a sua formação.
  • Fogos Florestais

    Fogos Florestais
    Vai ser através da regulamentação do Decreto-Lei 327/80, o que sucede com a publicação do Decreto-Regulamentar 55/81, que vão acontecer as maiores alterações e o estabelecimento de regras nas áreas da prevenção, deteção e combate, com a instituição de formas de organização, articulação e consequente atribuição de responsabilidades.
  • Alcafache - desastre ferroviário

    Alcafache - desastre ferroviário
    2 comboios que circulavam em sentidos opostos chocaram frontalmente entre as estações de Mangualde e Nelas. As estimativas variam entre 40 e 200 mortos porém, nunca foi determinado.
  • Incendios Chiado-Lisboa

    Incendios Chiado-Lisboa
    O Incêndio do Chiado deflagrou a 25 de Agosto de 1988 nos Armazéns Grandella do lado da Rua do Carmo em Lisboa.
  • Dessaste aéreo nos Açores

    Dessaste aéreo nos Açores
    O maior acidente aéreo registado em Portugal teve lugar em Santa Maria, nos Açores, em 08 de fevereiro de 1989, quando um Boeing 707, da Independent Air, com 144 pessoas a bordo, se despenhou no Pico Alto
  • Número Europeu de Emergência 112

    Número Europeu de Emergência 112
    O Número Europeu de Emergência 112 foi criado em 1991 e desde 2008 passou a ser o único número de emergência que pode ser usado de qualquer telefone fixo, móvel ou telefone público para aceder gratuitamente aos serviços de emergência em qualquer país da União Europeia.
  • Lei de Bases da Floresta

    Lei de Bases da Floresta
    A política florestal nacional, fundamental ao desenvolvimento e fortalecimento das instituições e programas para a gestão, conservação e desenvolvimento sustentável das florestas e sistemas naturais associados, visa a satisfação das necessidades da comunidade, num quadro de ordenamento do território.
  • Criação dos Sapadores Florestais

    Criação dos Sapadores Florestais
  • Entre-os-Rios - Colapso de Ponte

    Entre-os-Rios - Colapso de Ponte
    A ponte Hintze Ribeiro, que fazia a ligação entre Castelo de Paiva e Entre-os-Rios, colapsou.
    Do acidente resultou a morte de 59 pessoas, incluindo os passageiros de um autocarro e três carros que tentavam alcançar a outra margem do rio Douro.
    O desastre levou a acusações quanto a negligência do Governo Português, levando à demissão do Ministro do Equipamento Social da altura, Jorge Coelho. O Governo decretou dois dias de luto nacional.
  • Criação do Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil

    Criação do Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil
    Pelo Decreto-Lei n.º 49/2003, de 25 de março, o SNPC, o SNB e a CEFF são fundidos num único organismo que passa a ser o Serviço Nacional de Bombeiros e Proteção Civil (SNBPC).
  • Criação da Direção Geral dos Recursos Florestais

    Criação da Direção Geral dos Recursos Florestais
    Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas,
    cria a Direcção-Geral dos Recursos Florestais, investindo-a nas funções de autoridade florestal nacional.
    Reconhecendo a floresta portuguesa como um património essencial à economia do País e ao seu desenvolvimento sustentável, o Governo, face às fragilidades do modelo orgânico e funcional instituído, aprovou, pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 178/2003, de 17 de Novembro, uma profunda reforma estrutural do sector
  • Criação da Agência para a Prevenção de Incêndios Florestais

    Criação da  Agência para a Prevenção de Incêndios Florestais
    Publicado no Diário da República n.º 94 SÉRIE I-B de 2004-04-21
    Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e Pescas
    Cria a Agência para a Prevenção de Incêndios Florestais
  • Duarte Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários

    Duarte Associação Portuguesa dos Bombeiros Voluntários
    Fundada em 25 de Novembro de 2005, foi oficialmente instituída por escritura pública realizada a 1 de Fevereiro de 2006.
  • Nova lei de Bases da Proteção Civil

    Nova lei de Bases da Proteção Civil
    A Lei de Bases da Proteção Civil, foi redefinido o sistema de proteção civil, assumindo a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) um papel fundamental no âmbito do planeamento, coordenação e execução da política de proteção civil.
  • Criação do SIOPS

    Criação do SIOPS
    O Sistema Integrado de Operações de Proteção e Socorro (SIOPS) é o conjunto de estruturas, normas e procedimentos que asseguram que todos os agentes de proteção civil actuam, no plano operacional, articuladamente sob um comando único, sem prejuízo da respetiva dependência hierárquica e funcional, conforme o Decreto-Lei n.º 72/2013, de 31 de maio (Sistema criado pelo Decreto-Lei n.º 134/2006, de 25 de julho, e alterado pelo Decreto-Lei n.º 114/2011, de 30 de novembro).
  • Criação da Força Especial de Bombeiros

    Criação da Força Especial de Bombeiros
    Força Especial de Bombeiros, conhecida por 'canarinhos', foi criada em 2007 e integra o dispositivo operacional da Autoridade Nacional de Proteção Civil.
  • Guimarães - Deslizamento de terra

    Guimarães - Deslizamento de terra
    Sem vítimas mortais, às adversas condições climáticas, juntou-se inadequado planeamento de infraestruturas e ordenamento do território (criação de um aterro em plena linha de água).
  • Pedrogão Grande - Incêndios Florestais

    Pedrogão Grande - Incêndios Florestais
    No rescaldo do incêndio, a causa apontada pelas autoridades foi trovoada seca que, conjugada com temperaturas muito elevadas (superiores a 40ºC) e vento muito intenso, fez deflagrar e propagar rapidamente o fogo.
    No total, 66 pessoas morreram nas aldeias ou estradas desta localidade, 250 pessoas ficaram feridas (7 em estado grave).
    O desastre é o maior incêndio florestal de sempre em Portugal, o mais mortífero da história do país e o 11.º mais mortífero a nível mundial desde 1900.
  • Nova lei orgânica da Proteção Civil

    Nova lei orgânica da Proteção Civil
    O diploma acaba com os atuais 18 comandos distritais de operações e socorro (CDOS) e cria 5 comandos regionais e 23 comandos sub-regionais de operações de emergência e socorro, uma alteração que será feita de forma faseada para garantir a estabilidade do sistema, segundo o decreto do Governo.
  • Depressão Elsa

    Depressão Elsa
    O presente fenómeno afetou o país por completo com quedas de árvores, deslizamentos de terra, inundações, quedas de estruturas e provocou desalojados.
    Causou 2 vítimas mortais.