Educação inclusiva

  • Period: 315 to 500

    Antiguidade

  • 320

    Punição divina a deficiência física ou sensorial

    Impedia também que qualquer pessoa nesta condição realizasse a liderança nos serviços religiosos. Nos casos menos graves, embora reveladores da significação estigmatizada da pessoa com deficiência, os loucos, mancos serviam as cortes como bobos para entreter a nobreza.
  • 360

    Permissão para matar filhos defeituosos

    Permissão para matar filhos defeituosos
  • 410

    Padrão de beleza

    Padrão de beleza
    Aquilo que fugia ao padrão de beleza lá estabelecido e que influenciou quase todo o ocidente, era considerado feio, repudiado, deficiente.
  • 450

    Extermínio

    Pessoas que apresentavam qualquer tipo de necessidade especial eram consideradas como um empecilho para a sobrevivência do grupo. Na literatura greco-romana e também nos registros bíblicos, as necessidades especiais eram interpretadas como fenômenos metafísicos1 . Na Bíblia, as pessoas em tais condições, em quase todos os casos, eram ilustradas como mendigos, abandonados pela família, à margem da sociedade.
  • 500

    Economia ruralizada

    Economia ruralizada
    Relações de vassalagem e suserania, sendo o rei o suserano mais poderoso.
  • Period: 500 to Dec 31, 1500

    Idade Média

    Período que se iniciou com a tomada do império romano pelos hérulos e chega ao seu fim quando os turco-otomanos conquistam a cidade de Constantinopla.
  • 550

    Enfraquecimento comercial

    Todos os poderes jurídico, econômico e político concentravam-se nas mãos dos senhores feudais, donos de lotes de terras (feudos).
  • 590

    Supremacia da Igreja Católica

    Supremacia da Igreja Católica
    Todo o homem tem uma alma, que não deve ser exterminada a não ser que atente contra a ordem religiosa. O clero (membros da Igreja Católica) tinha um grande poder, pois era responsável pela proteção espiritual da sociedade. Era isento de impostos e arrecadava o dízimo.
  • Apr 7, 650

    Sociedade medieval extremamente hierarquizada

    Sociedade medieval extremamente hierarquizada
    A sociedade era estática (com pouca mobilidade social) e hierarquizada. A nobreza feudal (senhores feudais, cavaleiros, condes, duques, viscondes) era detentora de terras e arrecadava impostos dos camponeses. A terceira camada da sociedade era formada pelos servos (camponeses) e pequenos artesãos. Os servos deviam pagar várias taxas e tributos aos senhores feudais
  • Apr 7, 700

    Educação para poucos

    Educação para poucos
    Só os filhos dos nobres estudavam. Esta era marcada pela influência da Igreja, ensinando o latim, doutrinas religiosas e táticas de guerras. Grande parte da população medieval era analfabeta e não tinha acesso aos livros.
  • Apr 7, 780

    Exclusão de diversos grupos

    Exclusão de diversos grupos
    Além dos servos, camponeses e trabalhadores pobres, as mulheres, as crianças, os doentes, os imigrantes, os hereges e os judeus também compartilhavam da exclusão social.
  • Apr 7, 850

    Domínio dos homens sobre as mulheres

    Domínio dos homens sobre as mulheres
    As mulheres estavam submetidas à autoridade do pai ou do marido e tinham como destino certo o casamento, senão com um esposo escolhido pelo pai, num acordo de negócios, com Cristo, ao ser enviada para algum convento (era comum dizer que freiras tornavam-se esposas de Cristo).
  • Apr 7, 1000

    Cruzadas

    Cruzadas
    Lutas contra judeus e muçulmanos, nas terras da Palestina e também cruzadas internas contra cidades de hereges, como o caso da cidade de Albi.
  • Apr 7, 1150

    Julgamento e condenação

    Julgamento e condenação
    Normalmente em fogueiras, para promover a purificação da alma.
  • Apr 7, 1300

    Doenças e pestes

    Doenças e pestes
    Havia um ditado popular na Idade Média: “depois da fome, a peste come”. O que demonstrava como as doenças poderiam provocar uma catástrofe social. Os pobres, pela alimentação e moradias precárias, eram as primeiras vítimas das doenças que, além de enfrentá-las, tornavam-se também vítimas do abandono, da indiferença e da exclusão do convívio em sociedade.
  • Apr 7, 1500

    Fim da Idade Média

    Fim da Idade Média
    Fase conturbada, marcada por dificuldades econômicas, diminuição da população, guerras e o enfraquecimento da Igreja
  • Imperial Instituto dos Meninos Cegos

    Fundada no Rio de Janeiro, atualmente com o nome de Instituto Benjamin Constant, a primeira escola para pessoas cegas no Brasil, que oferecia educação religiosa, moral e musical. Criada com o apoio do imperador D. Pedro II pela proposta do professor de História cego José Álvares de Azevedo.
  • Instituto dos Surdos-Mudos

    Atualmente Instituto Nacional da Educação dos Surdos, criado no Rio da Janeiro, oferecia aos surdos instrução intelectual, moral e religiosa.
  • Instituto Pestalozzi de Canoas

    Fundada a primeira escola de ensino especial de iniciativa não governamental do Brasil. Inpirado pelo pedagogo suíço Johann Henrich Pestalozzi, o Instituto Pestalozzi, no Rio Grande do Sul, iniciou o movimento pestalozziano no país.
  • Sociedade Pestalozzi de Belo Horizonte

    Criada pela pedagoga russa Helena Antipoff, que também introduziu o termo "excepcionais" para tratar de pessoas com deficiências físicas e intelectuais.
  • Sociedade Pestalozzi do Brasil

    A primeira instituição com atendimento educacional especializado às pessoas com superdotação.
  • Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais

    Fundada a primeira APAE do Brasil, no Rio de Janeiro, com a iniciativa de Beatrice Bemis, mãe de uma menina com síndrome de down e fundadora de outras diversas instituições semelhantes nos Estados Unidos.
  • Lei nº 4.024/61

    Presente nas LDBEN, prevê o direito dos "excepcionais" à educação, preferencialmente dentro do sistema geral de ensino.
  • Lei nº 5.692/71

    Altera a lei anterior de 1961. Define tratamento especial aos alunos com "deficiências físicas, mentais, os que se encontrem em atraso considerável quanto à idade regular de matrícula e os superdotados", embora, nesta época, não seja introduzida nenhum sistema educacional que atenda tal necessidade.
  • Centro Nacional de Educação Especial

    Criação do Centro Nacional de Educação Especial dentro do MEC, responsável com gerir e administrar a educação especial no Brasil.
  • Constituição de 1988

    Estabelece como um dos objetivos fundamentais "promover o bem de todos" e no artigo 206, inciso 1, a "igualdade de condições de acesso e permanência na escola", sendo dever do Estado a oferta de educação especializada
  • A inclusão no ensino

    Aprovada a Lei n°7.853, que criminaliza preconceito-ela só seria regulamentada dez anos depois em 1999.
  • ECA

    ECA
    1990-O Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) dá a pais ou responsáveis a obrigação de matricular os filhos na rede regular.
  • Direito Universal

    A declaração Mundial de Educação para Todos reforça a Declaração dos Direitos Humanos e estabelece que todos devesse ter acesso à educação.
  • Influência Externa

    Influência Externa
    A Declaração da Salamanca define políticas, princípios e práticas da Educação Especial e influi nas políticas públicas da Educação
  • Ritmo

    A Política Nacional da Educação Especial condiciona o acesso ao ensino regular àqueles que possuem condições de acompanhar “os alunos ditos normais”.
  • LDB/96

    LDB/96
    LDB/96 muda apenas na teoria. Esta nova lei atribui às redes o dever de assegurar currículo, métodos, recursos e organização para atender às necessidades dos alunos.
  • DECRETO 3.298

    DECRETO 3.298
    É criada a Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência e define a Educação Especial como ensino complementar.
  • As redes se abrem

    Resolução CNE/CEB 2 divulga a criminalização da recusa em matricular crianças com deficiência. Cresce o número de matrículas.
  • DIREITOS

    O Brasil promulga a convenção da Guatemala, que define como discriminação com base na deficiência, o que impede o exercício dos direitos humanos.
  • Formação Docente

    Resolução CNE/CP 1 define que a universidade deve formar professores para atender alunos com necessidades especiais.
  • LIBRAS RECONHECIDA

    LIBRAS RECONHECIDA
    Lei n°10.436/02 reconhece a língua brasileira de sinais como meio legal de comunicação e expressão.
  • BRAILE EM CLASSE

    BRAILE EM CLASSE
    Portaria 2.678 aprova normas para uso, o ensino, a produção e a difusão do braile em todas as modalidades da Educação.
  • Inclusão se difunde

    Inclusão se difunde
    O MEC cria o programa educação inclusiva: Direito à Diversidade, que forma professores para atuar na disseminação da educação inclusiva.
  • Diretrizes Gerais - 2004

    O Ministério Público Federal reafirma o direito à escolarização de alunos com e sem deficiência.
  • Fim da Segregação - 2008

    A Política Nacional da Educação Especial na perspectiva define: todos devem estudar e escola comum.
  • CONFIRMAÇÃO

    Brasil ratifica a Convenção dos Direitos das Pessoas com deficiência, da ONU, fazendo da norma parte da legislação nacional.
  • Direitos Iguais - 2006

    Convenção aprovada pela ONU estabelece que as pessoas com deficiência tenham acesso ao ensino inclusivo.