Cronologia de marés negras no Mundo

  • Navio liberiano "Torrey Canyon"

    Navio liberiano "Torrey Canyon"
    O navio liberiano "Torrey Canyon" encalha frente à costa da Grã-Bretanha, perto das ilhas Scilly, e causa uma maré negra de 300 quilómetros quadrados, ao derramar 123 mil toneladas de petróleo. 180 quilómetros de praias francesas e inglesas são atingidos.
  • Choque de 2 petroleiros liberianos "Texanita" e "Oswego Guardian"

    O choque de dois petroleiros liberianos — "Texanita" e "Oswego Guardian" — lança cem mil toneladas de petróleo ao largo da África do Sul.
  • Petroleiro "Sea Star"

    O petroleiro "Sea Star" afunda-se no golfo de Omã e liberta 115 mil toneladas de petróleo.
  • Petroleiro japonês "Showa Maru"

    O petroleiro japonês "Showa Maru" (com 237 mil toneladas de petróleo nos porões) naufraga no estreito de Malaca, no oceano Índico.
  • Petroleiro francês "Olympic Bravery"

    O "Olympic Bravery", um petroleiro francês com 250 mil toneladas de carga — que tinha encalhado dois meses antes (24 de Janeiro) na costa norte de Ouessant, no Noroeste da França —, parte-se em dois por ocasião de uma tempestade. Foram necessários três meses para limpar a costa.
  • Petroleiro espanhol "Urquiola"

    O petroleiro espanhol "Urquiola", transportando cerca de 120 mil toneladas de petróleo bruto, explode, parte-se ao meio e incendeia-se na baía da Corunha. Mais de cem mil toneladas são derramadas para o mar.
  • Petroleiro de bandeira liberiana "Amoco Cadiz"

    O petroleiro de bandeira liberiana "Amoco Cadiz" afunda-se perto das costas da Bretanha, derramando 230 mil toneladas de crude. A maré negra afectou 320 quilómetros de costas francesas ao largo de Finisterra.
  • Petroleiro grego "Andros Patria"

    O petroleiro grego "Andros Patria", transportando 200 mil toneladas de crude entre o Irão e a Holanda é apanhado numa tempestade. Devido a um rombo no casco, perto da Corunha, o navio derrama cerca de 50 mil toneladas. No acidente morrem 37 elementos da tripulação.
  • Poço de petróleo "Intox One"

    Poço de petróleo "Intox One"
    Explosão do poço de petróleo "Intox One", no golfo do México, provoca a maior maré negra da história. Mais de nove meses de trabalho serão necessários para conseguir estancar a fuga. Ao todo, serão lançadas ao mar um milhão de toneladas de petróleo.
  • Petroleiro "Irenes Serenade"

    Petroleiro "Irenes Serenade"
    O petroleiro "Irenes Serenade", de origem grega, verte 102 mil toneladas de petróleo em águas gregas.
  • Petroleiro "Tanio"

    O petroleiro "Tanio", de origem malgaxe, carregado com 27 mil toneladas de crude, parte-se em dois, ao largo de Portsall, a norte do cabo Finisterra. Oito marinheiros morrem. A parte da frente do barco afunda-se com 8000 toneladas de petróleo ainda nos tanques; o petróleo é posteriormente bombeado para outro navio. A parte de trás é rebocada para o Havre (França), espalhando 8000 toneladas de crude que poluíram 120 quilómetros de costa perto do cabo Finisterra.
  • Petroleiro "Cavo Cambanos"

    Petroleiro "Cavo Cambanos"
    O petroleiro "Cavo Cambanos", de origem grega, carregado com 20.100 toneladas de petróleo, explode após um incêndio ao largo da Córsega (França). São derramadas 18 mil toneladas de petróleo.
  • Campo de Nowrouz

    Alvos das forças armadas iraquianas durante a guerra com o Irão, vários poços de petróleo “off-shore” iranianos do campo de Nowrouz libertam para o Golfo o seu petróleo durante meses. A amplitude do desastre nunca pôde ser bem avaliada devido ao estado de guerra da região.
  • Petroleiro espanhol "Castillo de Bellver"

    Petroleiro espanhol "Castillo de Bellver"
    Incêndio do petroleiro espanhol "Castillo de Bellver" ao largo das costas do Cabo. O navio transportava 250 mil toneladas de crude. A parte traseira do navio afunda-se com perto de cem mil toneladas e provoca uma imensa maré negra nas costas da África do Sul. Morrem três tripulantes.
  • Navio-tanque "Nisa"

    O navio-tanque "Nisa" rebenta durante uma operação de descarga, espalhando cerca de dez mil toneladas de crude pelos areais de Sines, São Torpes, Porto Covo e ilha do Pessegueiro.
  • Petroleiro "Amazzone"

    O petroleiro "Amazzone", de origem italiana, verte três mil toneladas de fuelóleo ao largo de Ouessant, França.
  • Petroleiro "Exxon Valdez"

    Petroleiro "Exxon Valdez"
    Pouco depois da meia-noite, o petroleiro "Exxon Valdez" encalha num recife, derramando 40 mil toneladas de crude no estreito Prince William, no Alasca. A embarcação tinha acabado de sair do terminal do oleoduto do Alasca, em Valdez, com 220 mil toneladas de crude a bordo. 250 quilómetros quadrados de gelos árticos, de acesso muito difícil, foram afectados. Um ano depois, tinham sido recolhidos 34.400 cadáveres de aves, mil de lontras e 151 de águias-calvas.
  • Petroleiro "Marão"

    O petroleiro "Marão", de origem portuguesa, derrama cerca de seis mil toneladas de crude que poluem a costa alentejana, nos concelhos de Sines e Odemira.
  • Petroleiro iraniano "Kharg-5"

    O petroleiro iraniano "Kharg-5" derrama 27 mil toneladas de crude ao largo da costa marroquina.
  • Petroleiro espanhol "Aragon"

    Petroleiro espanhol "Aragon"
    O petroleiro espanhol "Aragon" derrama 25 mil toneladas de crude a nordeste da ilha da Madeira.
  • Derrame de 25 mil toneladas de crude

    Derrame de 25 mil toneladas de crude
    Derrame de 25 mil toneladas de crude, provocando uma "maré negra" na ilha de Porto Santo, Madeira. O crude foi derramado pelo petroleiro espanhol "Aragón". A mancha a cem milhas da ilha chegou a Porto Santo pouco degradada, devido ao mar calmo. Os técnicos consideraram que o acidente teve origem numa fractura da estrutura metálica, afectada pela corrosão.
  • Golfo Pérsico

    Golfo Pérsico
    O Iraque incendeia, no Golfo Pérsico, cerca de onze milhões de barris de crude, vindo dos poços do Kuwait, causando um dos maiores desastres ecológicos de sempre.
  • Petroleiro "Agip Abruzzo"

    Petroleiro "Agip Abruzzo"
    O petroleiro "Agip Abruzzo", transportando dezenas de milhares de toneladas de crude iraniano, choca com o “ferry-boat” "Moby Prince", ao largo de Livorno, em Itália. Há 142 mortos e o petroleiro incendeia-se. A libertação de petróleo é porém relativamente modesta.
  • Petroleiro cipriota "Haven"

    Petroleiro cipriota "Haven"
    O petroleiro cipriota "Haven", contendo 140 mil toneladas de petróleo, explode no Mediterrâneo, ao largo da costa de Génova, Itália. Começa a afundar-se e, em dois dias, 30 mil toneladas de petróleo correm para as águas do Mediterrâneo. No dia 14 de Abril, afunda-se totalmente, sem se partir, evitando assim aquilo que poderia ser a mais séria catástrofe ecológica no Mediterrâneo. O desastre tem lugar a uma centena de quilómetros do anterior.
  • Navio grego "Mar Egeu"

    Navio grego "Mar Egeu"
    O navio grego "Mar Egeu", transportando 79.300 toneladas de crude, encalha frente à Corunha, devido ao mau tempo. Devido ao acidente são derramadas 70 mil toneladas de combustível que poluem 200 quilómetros de costa na Galiza.
  • Petroleiro "Braer"

    Petroleiro "Braer"
    O petroleiro "Braer" encalha nas rochas da região costeira das ilhas Shetland, na Grã-Bretanha, devido às más condições climatéricas. A embarcação derramou 84.500 toneladas de petróleo, estendendo-se a mancha negra ao longo de 40 quilómetros de costa.
  • Petroleiro de bandeira liberiana "Sea Empress"

    Petroleiro de bandeira liberiana "Sea Empress"
    O petroleiro de bandeira liberiana "Sea Empress" ancalha na costa do País de Gales, derramando 70 mil toneladas de crude. Mais de 25 mil aves marinhas morreram no acidente.
  • Unidade da Mobil, na Nigéria

    Unidade da Mobil, na Nigéria
    40 mil barris de petróleo foram derramados de uma ruptura nas condutas de uma unidade da Mobil, na Nigéria. Apesar da maioria do petróleo ter evaporado ou dispersado em dez dias, algumas comunidades queixaram-se de que o peixe havia sido contaminado pelo derrame e as redes de pesca haviam sido destruídas.
  • Petroleiro "Erika"

    Petroleiro "Erika"
    O petroleiro "Erika" quebra-se em dois frente às costas da Bretanha francesa, derramando 20 mil toneladas de fueóleo. 400 quilómetros de litoral francês foram afectados.
  • Petroleiro equatoriano "Jessica"

    Petroleiro equatoriano "Jessica"
    O petroleiro equatoriano "Jessica" encalha na baía dos Naufrágios da ilha de San cristóbal, nas Galápagos, derramando a maior parte da sua carga de 900 mil litros de combustível.
  • O petroleiro "Prestige"

    O petroleiro "Prestige"
    O petroleiro "Prestige", seguindo da Letónia para Gibraltar, começa a derramar fuel-óleo ao largo da costa da Galiza. Na manhã do dia 19 afunda-se a cerca de 200 quilómetros de Espanha. 295 quilómetros de praias galegas são contaminadas por quatro mil toneladas de combustível e a pesca é proibida ao longo de cem quilómetros.
  • Plataforma DeepWater Horizon

    Plataforma DeepWater Horizon
    A plataforma petrolífera DeepWater Horizon explorada pelo grupo britânico British Petroleum (BP), no Golfo do Máxico, é palco de uma explosão.