• Nascimento

    Nasceu em Chicago, Illinois
  • PHD

    Conclui seu Phd na UCLA e inicia a docência na Universidade de Chicago.
  • Guerra da Coréia

    Durante a Guerra da Coréia, ele é chamado de volta a Marinha e fez pesquisas sobre a compreensão e a previsão de como qualquer grupo de homens trabalharia em conjunto
  • Primeiro Livro (FIRO: A Three-Dimensional Theory of Interpersonal Behavior)

    A pesquisa durante a Guerra da Coréia resulta em seu primeiro livro e apresenta ao mundo a teoria FIRO (Orientação para Relações Interpessoais Fundamentais). De acordo com a teoria de Schutz, as pessoas integram-se em um grupo para que certas necessidades sejam satisfeitas. Ele identificou três necessidades interpessoais típicas: necessidade de inclusão, necessidade de controle e necessidade de afeição.
  • FIRO (INCLUSÃO)

    Detalhando os passos das necessidades interpessoais na formação e desenvolvimento de um grupo, vamos encontrar que a necessidade de inclusão é o sentir-se aceito, integrado e valorizado totalmente pelo grupo, além de procurar provas de que não é ignorado, isolado ou rejeitado. Em todas as três etapas, a maturidade social (o nível de socialização), e a necessidade de inclusão, condicionarão e determinarão atitudes mais ou menos adultas, evoluídas.
  • FIRO (INCLUSÃO II)

    Esta fase refere-se ao significado que cada pessoa pensa ou sente ter para as outras pessoas que compõem o grupo. Assim, aquelas que se sentem com autoestima baixa comportam-se de maneiras extremadas e ansiosas, sendo sub-social com atitudes retraídas e afastando-se das pessoas, ou ultra-social com atitudes extrovertidas, não suportando ficar sozinhas. Os sentimentos inconscientes são iguais tanto no comportamento do sub-social quanto no comportamento do ultra-social.
  • FIRO (INCLUSÃO III)

    Os mais socializados podem participar muito ou pouco numa situação de grupo sem sentir-se ansioso. Tendo atitudes de autonomia e interdependência. Encontram satisfação pelos laços que estabelecem entre os membros do grupo. Para Schutz, somente estes se tornam capazes de dar e receber afeição e estabelecem suas relações em nível autenticamente interpessoal. Os problemas apontados nesta fase de inclusão é o da decisão, ficar dentro ou fora do grupo.
  • FIRO (CONTROLE)

    Mesmo sem declarar uma ordem de acontecimento rígida para as dinâmicas de grupo, Will Schutz define a segunda necessidade interpessoal como a de controle. É nesse momento em que o grupo decide suas relações de influência e liderança. Para isso, primeiramente, os participantes definem se desejam ou não assumir uma posição de liderança, e logo depois, decidirão se expressarão sua vontade para o grupo ou não.
  • FIRO (CONTROLE II)

    Na formação desse conceito, Schutz percebe o quanto a comunicação é necessária para uma melhor produtividade dos grupos. Isto porque, quando seus integrantes eram devidamente ouvidos e suas necessidades satisfeitas, os mesmo se sentiam mais dispostos e focados para realizar suas tarefas, aumentando sua produtividade em até 25%.
  • FIRO (CONTROLE III)

    Desta forma, após suas necessidades e desejos serem estabelecidos por eles mesmos, aqueles que decidiram expor suas vontades se organizam junto com os demais para o estabelecimento dos níveis de influência e poder entre os membros. É importante notar como a expressão dos desejos dos integrantes é necessário para o estabelecimento da autoridade dentro daquele meio, pois sem a expressão, pode haver um conflito de interesses e, posteriormente, conflitos entre os membros.
  • FIRO (AFEIÇÃO)

    Para Will Schultz, a terceira necessidade interpessoal que se manifesta no contexto de formação de um grupo, é a de afeição ou abertura. Onde uma vez que já foi estabelecido o desejo de fazer parte do grupo (fase de inclusão) e as dinâmicas de poder e influência de cada membro (fase de controle) há a delimitação de quão próximos afetivamente os membros do grupo desejam ser?
    Surge então o conceito de afeição, que se estabelece a partir da construção gradual de laços emocionais entre os membros.
  • FIRO (AFEIÇÃO II)

    Há entre eles o desejo de serem valorizados pelos demais membros, considerados valiosos e indispensáveis para o sucesso do grupo a que fazem parte. Porém, há variação comportamental e de expectativas, entre os membros do grupo a depender do grau de desenvolvimento e maturidade social de cada indivíduo. Há os que apresentam comportamento sub pessoal, geralmente indivíduos mais dependentes e que estabelecem relações de afeto possessivas.
  • FIRO (AFEIÇÃO III)

    Já os indivíduos que agem de forma super pessoal apresentam grande medo de rejeição e podem apresentar comportamentos manipuladores. Enquanto os indivíduos mais socializados, cujas relações de afeto na infância tiveram desenvolvimento satisfatório, se mostram capazes de dar e receber afeto de forma sadia, onde a questão será quão próxima ou distante serão um do outro. Todas essas particularidades e variáveis são observáveis durante interações grupais que alcançam a etapa de afeto.
  • Publica o best seller Joy: Expanding Human Awareness

    Schutz expõe o estudo de novas técnicas do comportamento humano, incluindo psicossíntese, psicodrama, bioenergética, Rolfing e terapia gestalt.
  • Period: to

    Publica 5 livros

    Publica "Here comes Everybody Harper & Row" (1971), "Elements of Encounter" (1973), "Body Fantasy" (1976), "Leaders of Schools" (1977), "Profound Simplicity". New York, NY: Bantam (1979)
  • Cria o "Human Element"

    Em 1980, usando sua experiência em potencial humano e seu trabalho com a teoria FIRO e as escalas FIRO, ele criou o Elemento Humano, testado pela primeira vez com organizações como Kodak, Esso, Ampex, Mattel, United Biscuit, Exército dos EUA. A partir dessas experiências, os princípios-chave da verdade, escolha e consciência se cristalizaram e o Elemento Humano tomou forma. O Elemento Humano é uma experiência transformacional que visa maximizar o potencial de indivíduos e equipes.
  • Period: to

    Criação e liderança de uma rede internacional dedicada ao Elemento Humano

    De 1980 a 2001, Schutz, com sua esposa Ailish, criou e liderou uma rede internacional de participantes e profissionais - indivíduos, líderes, treinadores, consultores, treinadores e especialistas em desenvolvimento organizacional - dedicada aos princípios do Elemento Humano.
  • Aquisição da "The Human Element" pela Business Consultants, Inc.

    A The Human Element foi adquirida pela Business Consultants, Inc. do Japão. A Schutz Company, liderada pelo filho de Will, Ethan, é a representante da The Human Element nos Estados Unidos e Canadá.
  • Falecimento

    Falece em Muir Beach, California