Análise da atuação política do movimento negro organizado no período da república, sob a perspectiva da TBP

Timeline created by thihmagalhaes
  • Fundação da Frente Negra Brasileira (FNB)

    Fundação da Frente Negra Brasileira (FNB)
    A organização, junto com o Centro Cívico Palmares, foram as primeiras organizações negras com reivindicações políticas mais deliberadas. É tida como resultado de uma rede de relações e articulações entre as iniciativas predecessoras. Este processo de mobilização foi criando espaços para atuação política.
    Em meio a um contexto macro nazifascista, a dinâmica interna da FNB adotava uma postura autoritária e ultranacionalista. Em 1936 a organização se torna partido político.
  • Relação Ação Coletiva-Estado

    Relação Ação Coletiva-Estado
    A FNB é recebida em audiência pública pelo Presidente da República à época, Getúlio Vargas, tendo algumas de suas reivindicações atendidas atendidas: como o fim da proibição do ingresso de negros na guarda civil em SP.
  • Constrangimento na conjuntura política

    Constrangimento na conjuntura política
    Com a instauração do "Estado Novo", a Frente Negra Brasileira foi extinta, consequentemente, o movimento foi esvaziado. Ao mesmo tempo, permaneceu o culto à "Mãe-Preta". Ou seja, pode-se observar uma prática de resistência cultural.
  • Estrutura de oportunidades políticas na Segunda República

    Estrutura de oportunidades políticas na Segunda República
    Com a quadra da Ditadura de Vargas, ressurgiu, na cena política do país, o Movimento Negro Organizado, ampliando seu raio de ação.
    O contexto que abrangia as reivindicações dos negros era de discriminação racial, preconceitos e os estereótipos e, também, de marginalização da população negra.
  • Disputa Política

    Disputa Política
    A partir, principalmente, desse ano, houve um isolamento do político do movimento negro. Tal isolamento caracterizou uma disputa política existente.
    A apropriação dos recursos políticos ficou fragilizada à medida em que caracterizaram as reivindicações dos negros como uma tentativa de dividir a luta dos trabalhadores e implantar a revolução socialista no país.
  • Relação Ação Coletiva-Estado

    Ano em que os representantes da União dos Homens de Cor foram recebidos em audiência pelo então Presidente Getúlio Vargas, ocasião na qual foram apresentadas uma série de reivindicações a favor da população negra.
    No RJ, os dirigentes na entidade tornaram-se figuras prominentes na política formal.
  • Constrangimento às organizações de negros

    Constrangimento às organizações de negros
    Com a implantação da ditadura militar, os movimentos sociais no Brasil foram abatidos, incluindo a União dos Homens de Cor.
  • Movimento Negro Unificado e Ressignificação do Repertório de Atuação

    Movimento Negro Unificado e Ressignificação do Repertório de Atuação
    Luta anti-racista tinha que ser combinada com a luta revolucionária anticapitalista.
    Novos repertórios de atuação começaram a ser incorporados, como os "Centros de Luta", a fim de levar a cabo as reivindicações negras nos bairros, vilas, prisões e terreiros de candomblé.
    Processo de institucionalização era um dos focos.
    "organização nos sindicatos e partidos políticos"
  • Coordenação e Unificação das lutas

    Coordenação e Unificação das lutas
    A criação do Movimento Negro Unificado teve a proposta de unificar a luta de todas as organizações anti-racistas em escala nacional.
    A coordenação entre diversos grupos é vista como crucial para produzir um ator coletivo, segundo a TBP. Também, nesse período, é possível notar o fortalecimento de rede de articulação entre diversos grupos.
  • Resgate a aspectos do paradigma clássico (reivindicações e protestos)

    Resgate a aspectos do paradigma clássico (reivindicações e protestos)
    Na ocasião, o Movimento Unificado Contra a Discriminação Racial (MUCDR) organizou um ato público de repúdio à discriminação racial sofrida por 4 jovens no Clube de Regatas Tietê e em protesto à morte de Robson Silveira da Luz, trabalhador e pai de família negro, torturado até a morte no Distrito de Guainases. Apoio de organizações: Escola Samba Quilombo; Renascença Clube; Núcleo Negro Socialista; Centro de Estudos Brasil-África (CEBA) e o IPCN.
  • Period: to

    Processo de Institucionalização das ações coletivas

    Durante esse período - pós-abolição da escravatura - eclodiram diversas organizações que tinham como principal repertório de atuação diferentes formas de protestos.
    Clube 13 de Maio dos Homens Pretos; Centro Literário dos Homens de Cor; Sociedade Propugnadora 13 de Maio; Centro Cultural Henrique Dias; Sociedade União Cívica dos Homens de Cor; Associação Protetora dos Brasileiros Pretos; Centro da Federação dos Homens de Cor; Sociedade Progresso da Raça Africana; Centro Cívico Cruz e Souza.
  • Period: to

    Recrudescimento da imprensa negra alternativa

    Jornais alternativos são vistos como o principal veículo de expressão do repertório racial no período. Formados por negros, eles enfocavam as mais diversas demandas que afetavam a população negra à época, no âmbito no trabalho, da habitação, da saúde.
    Raça (1935); União (1918); A Pátria (1889); Menelick (1915); Clarim da Alvorada (1924)
  • Period: to

    Período de Isolamento Político das Organizações do Movimento Negro

    Nesse período, houve a proeminência de iniciativas fragmentadas, que não tinham sentido político.
  • Period: to

    Adquirição de controle coletivo sobre os recursos necessários para a ação dos movimentos, por meio das oportunidades que o período de redemocratização trouxe

    Intervenções das organizações: (i) revisão dos conteúdos
    preconceituosos dos livros didáticos; (ii) capacitação de professores para desenvolver uma pedagogia interétnica; (iii) reavaliação do papel do negro na história do Brasil; (iv) inclusão do ensino da história da África nos currículos escolares; (v) emergência de uma literatura "negra" em detrimento à literatura de base eurocêntrica.