revolução francesa

  • Period: to

    Antigo Regime

    Contexto no qual a sociedade estava organizada antes da revolução francesa. O poder era centralizado nas mãos de um monarca e era dividido em três principais ordens: o clero, formado por membros da Igreja Católica que possuíam muita força política e econômica, nobreza, formada por aristocratas, eram mais ricos ainda e proprietários favorecidos de privilégios e a burguesia, da qual faziam parte a maioria dos franceses. Era composta de comerciantes, trabalhadores do campo e trabalhadores liberais.
  • Period: to

    Guerra dos Sete Anos

  • Period: to

    Reinado de Luís XVI

  • Period: to

    enfraquecimento da economia francesa

    A guerra dos Sete Anos e prejuízo por conta do apoio do governo francês na guerra da independência dos Estados Unidos geraram dívidas muito grandes para a França, fazendo com que a economia do país se enfraquecesse. Como solução, a monarquia francesa decidiu aumentar os tributos e a fiscalização visando ampliar as fontes de arrecadação que sustentavam o regime monárquico, mas para que isso acontecesse, o sistema precisaria ser inteiramente modificado.
  • Period: to

    Revoltas pré-revolucionárias

    A crise e a mortalidade haviam diminuído um pouco no século XVIII, mas mesmo assim, logo antes da revolução, diversas revoltas "explodiram". O que causavam tais revoltas eram, em geral, o aumento do preço de alimentos diversos (principalmente do trigo) e o aumento da mortalidade.
  • Period: to

    Assembleia Nacional Constituinte e Assembleia Legislativa

  • Reunião dos Estados Gerais

    Coisa que não acontecia em mais de dois séculos, a reunião dos Estados Gerais no início de 1789 foi uma forma do rei consultar seus súditos. As queixas da população eram enviadas para representantes das 3 ordens (Clero, nobreza e burguesia), que se reuniam com o rei e discutiam tais dolências. Até os que concordavam com o rei se queixavam pelo abuso da administração e os direitos senhoriais, reivindicaram o respeito pelas liberdades e o fim do arbítrio.
  • O Juramento do Jogo de Pela

    Na reunião dos Estados Gerais, o rei repreende os deputados da Terceira Ordem e pede para que seu mestre de cerimônias retire-os da Assembleia, o que não deu certo por conta da relutância dos deputados. Contudo, no dia seguinte, os mesmos encontram as portas da Assembleia fechadas. Assim, invadem um espaço vazio ao lado e fazem o juramento de não se dispersar até conseguirem uma Constituição que estabelece a organização do poder.
  • Queda da Bastilha

    A Bastiha, antiga prisão de inimigos do rei e símbolo do Antigo Regime, foi atacada por pessoas armadas que não concordavam com o modelo de governo da época. Foi uma batalha violenta que deixou centenas de mortos, mas os invasores saíram vitoriosos e, como troféu, levaram a cabeça do diretor da Bastilha que foi assassinado no confronto. A queda da Bastilha contribuiu para difundir o sentimento revolucionário na população da França e é considerada por muitos como o início da revolução francesa.
  • Period: to

    O Grande Medo

    O Grande Medo foi um movimento popular que se originou devido a rumores sobre conspirações aristocráticas e pela emoção que as notícias provenientes de Paris provocaram entre os camponeses e rumores como que bandidos estavam sendo contratados pela aristocracia para arruinar plantações de camponeses. O medo se estendeu com rapidez e produziram-se revoltas de modo quase simultâneo. Os camponeses organizaram-se em grupos, saquearam e incendiaram as propriedades dos senhorios.
  • Fim da sociedade hierarquizada

    Nobres que compactuavam com a Revolução Francesa se apresentaram à tribuna da Assembleia e abriram mão de todos os seus privilégios. "É preciso reconhecer: quando a noite chegou ao fim, o feudalismo havia sido abolido no reino. Ou seja, era o fim da sociedade hierarquizada: acabavam-se as ordens da nobreza e do clero (...), o que haviam agora eram cidadãos livres e iguais perante a lei. Os direitos e os impostos feudais e senhoriais estavam abolidos". (página 41)
  • Aprovação da Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão

    Desde as revoluções no século XVII, os ingleses tinham uma declaração de direitos, mas não uma Constituição escrita. A Declaração dos Direitos do Homem e do Cidadão não era apenas para garantias individuais, mas também garantias do cidadão, como a liberdade de agir e de ir e vir, de pensamento, crença e religião. "Os homens nascem e permanecem livres e iguais em direitos".
  • Reunião da Assembleia Nacional

    Nesse dia, a Assembleia Nacional começa a ter suas primeiras experiências políticas: as pessoas que ficam à direita são os contrarrevolucionários e aristocratas, os que ficam no meio, patriotas constitucionalistas e à esquerda, democratas, como Robespierre. É nessa época que o clube dos Jacobinos começa a ser um dos mais célebres e influentes na província.
  • Constituição civil do Clero

    A Assembleia Nacional Constituinte decidiu transformar os padres em funcionários públicos assalariados, criando o clero nacional. Eles precisavam prestar um juramento de fidelidade: "à nação, à lei e ao rei". O mesmo era obrigatório, mas, mesmo assim, 49% dos padres se recusou a fazer tal juramento. Então, o clero foi dividido entre constitucionalista (que concordavam com essa nova organização) e refratário. Isso influenciou muito a população, que também se dividiu entre essas duas categorias.
  • Luis XVI e Maria Antonieta tentam fugir da França

    Nessa época, a contrarrevolução já estava ativa e organizada. Sendo composta por aristocratas e pela família real, a oposição à revolução francesa ajuda o rei e a rainha em uma tentativa de fuga. "Deveriam alcançar a fronteira nordeste do país para, com o auxílio de outros soberanos europeus, organizar a reconquista da França" (pg 58). Contudo, Luis XVI e Maria Antonieta são reconhecidos durante a viagem e tiveram de retornar à Paris.
  • Assembleia Legislativa se reúne

    A França se encontra muito dividida. De um lado, o rei e os contrarrevolucionários defendem a guerra por acreditar que o país seria reconquistado facilmente, do outro lado, o Clube dos Jacobinos acredita na revolução e no meio, os moderados, que hesitam por achar que ambos os lados são armadilhas. No dia 1 de outubro de 1791, a Assembleia Legislativa se reúne para discutir qual será o melhor caminho a se tomar para o futuro da França.
  • Convenção sucede a Assembleia Legislativa

    Responsável por proclamar a República Francesa, a Convenção Nacional era formada em sua maioria por jacobinos e girondinos e foi eleita pelo sufrágio universal.
  • Criação do metro

    A unidade de medida foi criada por Jean-Baptiste-Joseph Delambre e Pierre-François-André Méchain e é correspondente a décima milionésima parte de um quarto do meridiano terrestre.
  • Period: to

    Convenção Nacional

  • Início da Primeira Coalizão

    A França estava totalmente desorganizada, então, consequentemente, o começo da guerra não foi bom para a província francesa. A população estava totalmente dividida por conta da emigração, o exército real havia perdido muitos soldados e os soldados voluntários que estavam sendo recrutados eram inexperientes e o tumulto se espalhava pelo país.
  • Period: to

    Primeira Coalizão

    Diversas guerras contra o reino da França Constitucional e contra a República Francesa aconteceram nesse período. A província francesa sofreu inúmeros ataques e invasões por potências europeias interessadas em parte do território. Mesmo com todos os ataques, a França não perdeu territórios e conseguiu sair vitoriosa da guerra.
  • Invasão do palácio real de Tulherias

    "Quando os exércitos inimigos penetraram profundamente no Norte e no Leste da França, a raiva voltou-se contra o rei." (pg 62). Como a população estava revoltada, houve uma tentativa de invasão ao palácio real no dia 20 de junho de 1792, mas a mesma falhou. Porém, no dia 10 de agosto de 1792, os federados e revolucionários conseguiram, com sucesso, invadir o palácio real de Tulherias.
  • Batalha de Valmy

    A Batalha de Valmy aconteceu próximo a proclamação da República e foi travada pelo exército francês e pelo exército prussiano. Na tentativa de restabelecer a monarquia, a Prússia invadiu a França, mas se deparou com aproximadamente 52.000 soldados franceses. Então, temendo sua perda na batalha, o rei da Prússia ordena a retirada de seu exército e a França, mais uma vez, sai vitoriosa.
  • Proclamação da República Francesa

    A assembleia Legislativa vota na abolição da monarquia e estabelece a Primeira República Francesa.
  • Guerra civil na Vendéia

    A guerra civil na Vendéia era antirrevolucionária. Houveram diversas batalhas durante essa época (verão de 1793), mas, no dia 10 de março de 1793, armados de foices, facas e porretes, 3 mil camponeses reuniram-se ao toque dos sinos, invadiram as vilas de Machecoul e Saint-Florent-le-Viel e massacraram centenas de soldados republicanos. Depois de tal batalha, a Vendeia tornara-se o inimigo número um dos partidários da Revolução.
  • Comitê de Salvação Pública

    O comitê, organizado pela convenção, era responsável por conter as revoltas internas. Diversas figuras importantes faziam parte desse comitê, como Robespierre e Danton (dirigentes da Montanha), dispunham de vários poderes. " O Governo retoma o controle do país, envia deputados a todas as regiões como "representantes em missão", apoiando-se nos Clubes Jacobinos locais e nos Comitês de Vigilância" (p 74).
  • Invenção do calendário "laicilizado"

    Dividido em meses de 30 dias, cada um com três décadas, o calendário republicano buscava eliminar a referência ao calendário cristão, com suas festas, santos e duração da semana. Contudo, esse calendário não durou muito, no ano XIV, o imperador Napoleão suprimiu o sistema e voltou ao calendário cristão.
  • Culto da Razão

    Liderado por Robespierre e seu grupo, o culto da Razão foi um sistema de crença e baseados em ideias racionalistas que pretendia substituir o cristianismo.
  • Period: to

    O Terror

    O Terror foi uma arma usada pelo governo de salvação nacional para reprimir a contrarrevolução. Foi um período de muita violência, onde se prendiam cidadãos considerados suspeitos, muitas figuras importantes foram guilhotinadas e também da reconquista da Vendeia por parte dos soldados republicanos, que incendiaram as aldeias da região e cometeram assassinatos. Por outro lado, essa política alcançou eficácia, atendendo às necessidades urgentes da população, como a alta dos preços e a miséria,
  • Morte de Luís XVI

    O rei da França foi executado na guilhotina no dia 21 de janeiro de 1793, acusado de trair o país e se comunicar com o inimigo. Os girondinos defendiam a ideia de que Luis XVI não deveria morrer, mas sim exilado ou preso. Contudo, os porta-vozes da Montanha disseram que se o rei permanecesse vivo, a França estaria ameaçada: "É preciso que Luís morra para que a República viva". O ponto de vista dos porta-vozes da Montanha saiu vencedor, fazendo com que o rei fosse guilhotinado.
  • Golpe de Estado da Convenção

    "A aliança entre o Partido da Montanha e o povo das seções de Paris conduziu à jornada revolucionária de 2 de junho de 1793, quando a Convenção, sitiada pelos insurretos, decidiu deter e aprisionar os principais deputados da Gironda: é o que se chama de golpe de Estado" (p 72). O acontecimento teve diversas consequências, como a piora da guerra civil, já que os partidários dos girondinos sublevaram cidades e regiões contra o que eles denunciavam como a ditadura de Paris sobre o restante do país.
  • execução dos hebertistas

    Os líderes do movimento popular sans-cullotes, do qual pertenciam os membros não privilegiados da sociedade francesa, foram acusados de conspiração e executados em março de 1794, na tentativa de suprimir suas assembleias e afastar os líderes. Tal ato foi ordenado por Robespierre, que contou com o apoio dos Indulgentes, grupo que considerava que a Revolução tinha ido longe demais. isso foi feito para que a França pudesse restabelecer a ordem e preservar as fronteiras francesas.
  • Festa do Diretório

    "A regulamentação econômica do ano II foi suprimida: a sociedade da época do Diretório deixou a imagem do contraste entre a miséria de muitos, quando os preços explodem com a inflação do papel-moeda, e a riqueza arrogante de uns poucos, que se aproveitam da liberdade reencontrada: foi a dita "festa do Diretório"." (p 88)
  • Crise econômica

    A desvalorização do papel-moeda devido a troca de moedas de ouro, prata e bronze por cédulas teve diversas consequências, como os impostos não estarem sendo pagos, assim como os salários e uma onda de assaltos que toma conta da zona rural francesa. Tudo isso fez com que os dirigentes do Diretório não ficassem com uma reputação boa.
  • Convenção declara o fim da escravidão nas colônias francesas

    A proposta da abolição foi dada por deputados com Delacroix e Danton e foi aprovada. Porém, em 1802, Napoleão Bonaparte restabeleceu a escravidão na França.
  • Ordem de prisão e morte de Robespierre

    Os moderados da Convenção e alguns deputados preparam uma conspiração contra o "Incorruptível" (Robespierre) e seus aliados e, no dia 9 de Termidor, na Assembleia, a prisão do líder é decretada. Já no dia 10 de Termidor, o líder dos Jacobinos é guilhotinado.
  • O Terror Branco

    "(...) tanto em Paris como no restante do país, desencadeou-se um movimento violento de reação contrarrevolucionária: foi o chamado Terror branco, tendo a frente bandos de jovens, que realizaram expedições assassinas contra os patriotas, chamados de terroristas." (p 86).
  • Constituição do ano III

    A Constituição foi reformada e, agora, a igualdade não está mais na ordem do dia, as novas constituições buscam afastar qualquer perigo de uma nova ditadura e assegurar a dominação dos notáveis. Também são criados o Conselho dos Quinhentos e o Conselho dos Anciãos.
  • Period: to

    Diretório

    Período que sucede a morte de Robespierre e o fim da supremacia jacobina. Começa com a proclamação de uma nova Constituição por parte da Convenção. No período do Diretório, o país mergulha em crises econômicas e sociais e ameaças externas.
  • Surgimento da Conspiração dos iguais

    Liderado pelo jacobino Gracchus Babeuf, o movimento lutava pela igualdade entre todas as pessoas, em uma sociedade na qual a terra pertenceria a todas elas, ou seja, propunha o fim da propriedade privada.
  • Criação da República Cisalpina

    Napoleão Bonaparte vinha ganhando diversas batalhas e ficando cada vez mais forte e, em outubro de 1797, desprezando totalmente as ordens do diretório e negociando diretamente com austríacos, Bonaparte criou no Vale do Pó a República Cisalpina. Essa e outras repúblicas eram chamadas de repúblicas irmãs, que ajudaram a França a manter controle dos governos.
  • Golpe de Estado de 18 Frutidor

    Os clubes jacobinos são reconstituídos e ganhavam cada vez mais força, e, aproveitando o retorno dos padres refratários e dos bandos de assassinos para ficarem cada vez mais poderosos, resolvem concorrer nas eleições. Quando chegou no dia das eleições, em Frutidor do ano V (setembro de 1797), os jacobinos achavam que tinham vencido, mas os membros do Diretório anularam as eleições com o golpe de Estado de 18 de Frutidor.
  • Fim do Diretório

    Com a autoridade do Estado cada vez mais fraca e contestada, o sentimento revolucionário despertou na população e, em 1799, as eleições às assembleias deram vitória à esquerda, tirando os membros do Diretório do poder.
  • Golpe de Estado de 18 de brumário do ano VIII

    Quando retornou à França, Bonaparte era visto como o salvador por muita gente. Com todo esse apoio e a necessidade de uma autoridade para garantir os benefícios e bens que a burguesia conquistou com a revolução, Napoleão prepara um golpe de Estado militar, onde todos os deputados são afastados e ele assume o cargo de primeiro cônsul. Isso dura de 1800 ate 1804, quando Napoleão Bonaparte se torna imperador.
  • Bonaparte assume o cargo de Imperador da França

    “De certo modo, Bonaparte deu continuidade ao momento revolucionário. Ele consolidou conquistas fundamentais em detrimento daquilo que era a principal conquista, a liberdade. Mas a ideia não estava morta, ela avançou, e isso, sem dúvida, é a herança da Grande Revolução”. (p 97)