História do curso de Pedagogia no Brasil

  • Mudanças na Educação

    Século XX - Grandes movimentos da época, estavam começando a gerar certo entusiasmo pela educação. O movimento dos pioneiros pela Escola Nova, lutava pela implantação de universidades no Brasil
  • Criação das universidades

    Filosofia, letras e pedagogia. O objetivo era formar professores para o ensino secundário.
  • Curso de Formação de professores

    Quando a Escola de Professores, foi incorporada à Universidade do Distrito Federal. Esta recém criada Faculdade de Educação passou a conceder “licença magistral” para àqueles que obtivessem na universidade “licença cultural”.
  • Como era o curso de Pedagogia

    Com duração de 3 anos era formado o bacharel, para a formação do licenciado era acrescentado mais um ano de didática, passando a ser conhecido como o esquema 3+1. O bacharel em Pedagogia era preparado para ocupar cargos técnicos da educação,
    enquanto o licenciado era destinado à docência.
  • Resignificando a pedagogia

    Resignificando a pedagogia
    O Conselheiro Valnir Chagas, no intuito de ajudar (ou não),a encontrar a identidade do curso, lança mão de decretos na tentativa de dar uma definição para o curso e para a destinação profissional de seus egressos.
  • Tempos calmos para a pedagogia

    O curso de Pedagogia “navegava” em águas calmas até pelo menos até 1945, quando começou a fase de redemocratização do país. E até 1961, o curso de Pedagogia permaneceu com o esquema 3+1.
  • Insatisfação dos estudantes

    O curso oferecia poucas possibilidades de instrumentalização para a prática de suas funções no mercado de trabalho, principalmente a de técnico em educação, não se conseguia definir se a técnica era falha e dificultava o acesso do técnico no mercado de trabalho, ou era o mercado de trabalho que era indefinido pela imprecisão do curso, e não conseguia absorver os egressos do curso.
  • Um novo parecer para a pedagogia

    Um novo parecer para a pedagogia
    O parecer visava a formação do professor para o ensino normal (licenciado), e de especialistas para as atividades de orientação, administração, supervisão e inspeção dentro das escolas e do sistema escolar. Mexeu-se também no currículo, este agora estava estruturado para uma base comum de estudos, e ao especialista oferecia a habilitação específica para os conjuntos de tarefas.
  • Concretizando as afirmações de Chagas

    O Conselheiro Valnir Chagas, na verdade ele fez foi desdobrar o curso, ou seja, as antigas tarefas anteriormente concentradas no curso, em variadas alternativas de habilitações que fariam parte do que passou a chamar de licenciatura das áreas pedagógicas.
  • Período das reivindicações

    A participação de professores e estudantes universitários em defesa do curso de Pedagogia. Na trajetória do curso este período merece destaque, momento em que professores e estudantes se organizam e passam a constituir um movimento para resistir às reformas em um contexto de luta contra a ditadura imposta pelo regime militar, em um primeiro momento e de elaboração de propostas no anúncio de redemocratização instalado, em um segundo momento, pelo fim daquele regime.
  • A luta continua

    A luta continua
    Foi produzido um documento pelo Comitê Pró-participação na Reformulação dos Cursos de Pedagogia e Licenciatura – Regional de São Paulo, que se tornou um marco, tendo o intuito de nortear os rumos dos trabalhos desenvolvidos dali para frente, tendo como referência inicial o material produzido em 1975.
  • Identidade do professor

    E a questão da identidade do pedagogo não estava esclarecida,quando a LDB 9394/96 introduziu novos indicadores, visando a formação de profissionais para educação básica, especialmente no artigo 62, que introduz os Institutos Superiores de Educação, ISEs, como um dos locais possíveis, além das universidades, de formação para professores para autuar na educação básica.
  • Perfil do professor atualmente

    Perfil do professor atualmente
    As diretrizes curriculares de 2006 deixam claro que a identidade do curso de Pedagogia deve ser pautada pela na docência, implicando a licenciatura como identidade conseqüente do pedagogo. As habilitações foram extintas, o curso de Pedagogia - licenciatura - deverá agora formar integralmente para o conjunto das funções a ele atribuídas. O pedagogo agora deverá ter uma formação teórica, diversidade de conhecimentos e de práticas, que se articulam ao longo do curso.