História da Música no Brasil

By Betto
  • Apr 22, 1500

    Música das tribos indígenas

    Música das tribos indígenas
    [Sons indígenas](//http://www.funai.gov.br/index.php/indios-no-brasil/sons-indigenas)Música em solos e coros, acompanhadas por dança, com palmas, batidas de pés, chocalhos, apitos, e flautas, varas, tambores, entre outros.
  • Period: Apr 22, 1500 to

    História da Música no Brasil

    Linha do tempo elaborada pelo Prof. Luís Alberto F. Menezes
  • Apr 8, 1538

    Chegada de escravos e contribuições

    Chegam os primeiros grupos de escravos vindos da África, trazendo toda uma cultura que irá trazer muita influência para o país e muita riquesa para nossa música.
    Os africanos contribuiram com vários instrumentos: adufe, agogô, triângulo, berimbau, flauta de cana, atabaque, guizos, etc.
  • Aug 8, 1549

    Missões jesuítas

    Missões de jesuítas portugueses passam a introduzir noções de música européia aos índios, apresentando seus instrumentos musicais, levaram à uma fusão, influênciando o futuro da história da música brasileira
  • Influência portuguesa

    Primeiros cultos folclóricos, como o "Reisado" e o "Bumba meu boi".
    A colonização portuguesa introduz instrumentos sofisticados, como: violão, viola, cavaquinho, flauta, pandeiro, piano, etc.
    A música sacra, as melancólicas baladas e as modas portuguesas contribuem para a formação da música brasileira.
  • Manifestações de música popular e gêneros musicais

    Entre 1700 e 1750 - Surgem pequenos grupos musicais, compostos por escravos negros barbeiros, chamados de "Charangas" ou "Ritmos de Senzala". Estes eram solicitados à tocarem em festividades e procissões, tocando flauta, cavaquinho, violas, rabeca, trompa, pistão, pandeiro, tamboril, machete, Interpretando Fandangos, Dobrados, Quadrilhas, Lundus e Polcas.
  • A Modinha, influência para nossa música

    Surge, até então, o mais importânte gênero musical, a Modinha, criado em Portugal, e responsável pelos aspectos melódicos e românticos na música brasileirade, foi de grande influência para a música brasileira até o início do século XIX.
  • Registro do Lundu

    Primeiro registro escrito do Lundu africano (Congo e Angola), um dos elementos embrionários do futuro Samba.
    A partir do começo do século XIX, o lundu apresenta variantes como o miudinho, a tirana tipo espanholada, o fado batido e a chula. Seu apogeu vai do começo de 1800 à 1920, sendo o músico popular Xisto Bahia (1841-1894) o mais importante compositor do gênero.
  • Carnaval e casamento real

    Registro do primeiro grande desfile de carnaval, comemorando-se o casamento do príncipe D.João (futuro D.João VI) com a princesa Carlota Joaquina.
  • Brasileiro de destaque

    Brasileiro de destaque
    Padre José Maurício Nunes Garcia (1767-1830), Compôs mais de 250 músicas, sendo que esta quantidade e a qualidade de suas obras, o tornaram um dos mais importantes compositores das Américas de seu tempo.
    Também era regente, virtuose do órgão e do cravo, professor renomado, autor de modinhas e, por fim, mestre de capela da Sé da cidade (posto mais importante para um músico no Brasil Colônia).
    Foi patrocinado por D. Pedro I, que também foi seu aluno e compôs o "Hino da Independência".
  • Chegada da Polca

    Chega ao Rio de Janeiro a Polca, vinda da Checoslováquia, vira uma febre. Ernesto Nazaré e Calado são exemplos de compositores de músicas deste gênero aqui no Brasil.
    Foi o gênero básico de apoio para outras fusões musicais com o lundu, o fadinho e os motivos militares.
  • O Maxixe

    Da fusão do Lundu com o Tango argentino, a Habanera cubana e a Polca, surge o Maxixe, com características da sensualidade da dança e da frequente gíria carioca.
  • O Chorinho

    Surge o Choro, através de pequenos grupos instrumentais que se reuniam nos subúrbios cariocas com suas flautas, cavaquinhos e violões. A mágoa e a nostalgia deram o nome ao gênero, sendo a improvisação sua condição básica. As festas das quais os chorões participavam eram chamadas de "pagodes".
  • Ranchos carnavalescos e o Frevo

    Surge no Recife, o Frevo, um dos mais importantes gêneros musicais e danças do país. O frevo nasce da polca-marcha e inspirada na capoeira.
    Existem mais de dez ranchos carnavalescos cariocas. A partir de então, esboça-se os primeiros traços do samba através do batuque de origem africana
  • Carlos Gomes e sua obra prima

    Carlos Gomes e sua obra prima
    Na Itália, estréia a ópera "O Guarani", de Carlos Gomes (patrocinado por D. Pedro II). A obra percorre a Europa, destacando o Brasil no cenário musical. Foi o maior compositor das Américas no século XIX.
  • Chiquinha Gonzaga e a 1ª marcha carnavalesca

    Chiquinha Gonzaga e a 1ª marcha carnavalesca
    Foi a primeira pianista de choro, autora da primeira marcha carnavalesca com letra ("Ó Abre Alas") e também a primeira mulher a reger uma orquestra no Brasil. Ao todo, compôs músicas para 77 peças teatrais, tendo sido autora de cerca de duas mil composições em gêneros variados: valsas, polcas, tangos, lundus, maxixes, fados, quadrilhas, mazurcas, choros e serenatas.
  • 1ª gravação para um disco brasileiro

    Acontece a primeira gravação para um disco brasileiro, com o famoso tema lundu intitulado "Isto É Bom", para a gravadora Casa Edison.
  • Canções sertanejas

    Embora tenha surgido desde meados do século passado, é somente neste ano que as chamadas canções sertanejas se popularizam entre as classes média e alta, a partir da toada "Cabocla di Caxanga", de João Pernambuco e Catulo da Paixão Cearense, dois dos maiores nomes na história do gênero.
  • O Samba

    Diferente do samba que conhecemos hoje, o samba das marchinhas de carnaval era chamado de "marcha rancho" e inicialmente era tocado com instrumentos de sopro. Considerado o nascimento oficial do samba, a gravação de "Pelo Telefone", de Donga e Mauro de Almeida, na voz de Bahiano, foi sucesso nacional e estabeleceu novos padrões para as canções de carnaval. Este típico samba carioca, que mistura maxixe com frases rítmicas do folclore baiano, mais tarde espalha-se pelo Brasil e domina o carnaval.
  • Música Sertaneja

    O termo é designado para identificar as estilizações de ritmos rurais que abrangiam modas, toadas, cateretês, chulas, batuques e emboladas. De acordo com os primeiros estudiosos do estilo, o sertanejo poderia também compreender o xaxado, o baião e toda manifestação musical das regiões Norte-Nordeste, produzida no sertão e longe da cultura das grandes cidades. O gênero ficaria fortemente associado ao estilo caipira das modas de viola.
  • Primeiras escolas de samba

    No Rio de Janeiro, quase no final da década, surgem as primeiras escolas de samba, que já haviam sido esboçadas desde o surgimento dos entrudos, dos ranchos carnavalescos e dos cordões fantasiados. a Deixa Falar – surgiu no Largo do Estácio, no antigo Rio. Surgem também os primeiros moradores das favelas cariocas e do assim chamado 'samba do morro'.
  • Divulgação da música brasileira

    Popularizam-se no Rio, e em São Paulo, o gramofone, as vitrolas, as orquestras de cinema mudo, posteriormente o próprio cinema falado e – principalmente – as primeiras gafieiras que tocavam sambas, maxixes, marchas, jazz e valsas. Logo surgiriam as jazz-bands brasileiras como a Orquestra Pan-Americana, American Jazz-Band, de Silvio de Sousa, Jazz-Band Sul-Americana, de Romeu Silva e outras mais.