Especialidade de biblioteconomia respondida

Biblioteconomia

  • 2550 BCE

    Biblioteca de Ebla

    Comprovada a existência das primeiras coleções organizadas de documentos, ou o que se poderia chamar de primeira biblioteca => Biblioteca de Ebla, na Síria, a qual apresentava um acervo criteriosamente disposto em estantes, segundo o assunto. A organização encontrada nessa biblioteca “[...] vem sendo considerada a origem dos princípios da Biblioteconomia.
  • Period: 800 BCE to 300 BCE

    Entre os séculos VIII e III a.C

    Surgem as grandes bibliotecas da Antiguidade, dentre elas a Biblioteca de Alexandria. Parte do seu acervo foi constituído a partir de um decreto do Rei Ptolomeu II em que todos os navios que parassem em Alexandria tinham que entregar seus livros para serem copiados.
  • Period: 476 to 1453

    Na Idade Média

    Predominaram as bibliotecas ligadas à ordens religiosas, tanto no Ocidente, como no Oriente. Os mosteiros e conventos foram os responsáveis pela preservação da antiga cultura greco-romana e definiam-se como bibliotecas.
  • 1568

    BRASIL - 1ª Biblioteca

    Primeira biblioteca brasileira – Colégio da Bahia, instituição de ensino dos Jesuítas
  • Period: to

    Século XVII

    A relevância pública e social das bibliotecas ganhou impulso, primeiramente na Europa e depois nos Estados Unidos, “[...] com o surgimento do conceito de biblioteca pública moderna, constituída de acervos gerais de livros e aberta gratuitamente ao público em horários regulares”.
  • BRASIL - 1º Bibliotecário

    Primeiro bibliotecário foi o jesuíta português Antônio Gonçalves na biblioteca do Colégio da Bahia.
  • Francis Bacon (1561-1626)

    Francis Bacon (1561-1626)
    Com a obra The Advancement of Learning (O avanço da aprendizagem), de 1605, classificou as ciências em três grupos: 1º) poesia ou ciência da imaginação; 2º) história ou ciência da memória; 3º) filosofia ou ciência da razão.
    Esse sistema de Bacon veio influenciar a enciclopédia de Diderot e d’Alembert no século XVIII, também na classificação de Dewey.
  • Manual para Bibliotecários

    Manual para Bibliotecários
    Publicado o primeiro manual para bibliotecários “Advis pour dresser um bibliothéque”, escrito por Gabriel Naudé, que formalizou as bases conceituais da Biblioteconomia, abrindo caminho para a afirmação de importantes conceitos, como a ideia de ordem bibliográfica.
  • Século XIX

    Martin Schrettinger, na obra Bibliotek-Wissenschaft, definiu o que à época poderia ser denominada Biblioteconomia como o resumo de todas as diretrizes teóricas necessárias para a organização intencional de uma biblioteca, indicando que o foco da Biblioteconomia é assegurar o acesso rápido e certo aos documentos na biblioteca.
  • Period: to

    Final do século XIX até metade do século XX

    Período marcado por uma divisão de interesses entre bibliotecas públicas (bibliotecários) e processos documentários (documentalistas), especialmente nos Estados Unidos e Europa
  • 1839

    Contudo o termo Biblioteconomia foi usado pela primeira vez somente em 1839 na obra publicada pelo livreiro e bibliógrafo Léopold-Auguste-Constantin Hesse e intitulada Bibliothéconomie: instructions sur l’arrangement, la conservation e l’administration des bibliothèques.
  • Anthony Panizzi (1797-1879)

    Anthony Panizzi (1797-1879)
    Bibliotecário, elaborou as 91 regras de catalogação publicadas em 1839 na Inglaterra, denominadas Rules for the Compilation of the Catalog: Catalogue of Printed Books in British Museum. As regras de Panizzi iriam influenciar sobremaneira as práticas de catalogação, de tal modo que uma de suas características é defendida até hoje: a valorização da folha de rosto.
  • ALA

    Fundação da American Library Association (ALA), onde bibliotecários e bibliófilos diante das dificuldades encontradas para tratar tecnicamente e recuperar as informações , mostraram-se motivados em desenvolver esforços cooperativos.
  • Melvil Dewey (1851-1931)

    Melvil Dewey (1851-1931)
    Desenvolveu o sistema de Classificação Decimal de Dewey (CDD) em 1876. Dewey inspirou-se para ordenar suas classes principais na classificação de Francis Bacon. Dewey é considerado o “pai da Biblioteconomia moderna”. Ajudou na criação da American Library Association (ALA) e a primeira escola de Biblioteconomia da América, em 1887, quando era bibliotecário do Columbia College, hoje Universidade de Columbia.
  • Charles Ammi Cutter (1837-1903)

    Charles Ammi Cutter (1837-1903)
    Bibliotecário americano, marcou sua trajetória na Biblioteconomia com sua tabela de notação de autores conhecida como Tabela de Cutter, publicada em 1880, é usada até hoje pelas bibliotecas.
  • Paul Otlet e Henri La Fontaine

    Paul Otlet e Henri La Fontaine
    Com a explosão documental, os pesquisadores belgas Henri La Fontaine e Paul Otlet fundaram o Instituto Internacional de Bibliografia. Esse Instituto estabeleceu as bases para a criação de uma grande bibliografia universal com o objetivo de reunir a produção mundial de impressos.
  • BRASIL - 1º Primeiro curso de Biblioteconomia

    BRASIL - 1º Primeiro curso de Biblioteconomia
    O ensino de Biblioteconomia surgiu a partir do Decreto 8.835 de 11 de Julho de 1911 que estabeleceu a criação do primeiro Curso de Biblioteconomia na Biblioteca Nacional. No entanto, as aulas só começaram em abril de 1915 por causa da desistência dos inscritos.
    O ensino da Biblioteca Nacional era influenciado pela escola francesa École de Chartes com forte característica humanística.
  • IFLA

    Fundação da Federação Internacional de Associações de Bibliotecas e Instituições (IFLA), na Escócia. É o principal organismo internacional que representa os interesses da biblioteca e serviços de informação e seus usuários. A IFLA foi registrada na Holanda, em 1971.
  • BRASIL - 2º Curso

    Segundo curso criado em São Paulo no Mackenzie College, hoje Universidade Mackenzie. Recebeu influência americana tecnicista da Columbia University.
  • Ranganathan (1892-1972)

    Ranganathan (1892-1972)
    Considerado o maior bibliotecário do século XX, revolucionou a profissão na Índia e no mundo. Criou a Classificação de Colon (1933) primeiro esquema de classificação facetado baseado em 5 categorias fundamentais=Personalidade/Entidade; Matéria; Energia; Espaço e Tempo (PMEST).
    Com o livro "The Five Laws of Library Science" (1931) estabeleceu as 5 Leis da Biblioteconomia, o que marcou o início de uma nova era para a Biblioteconomia, mostrando que a área é capaz de produzir princípios científicos.
  • Entre 1936-1939

    Curso de Biblioteconomia do Departamento de Cultura da Prefeitura de São Paulo
  • BRASIL - São Paulo - Curso na Escola Livre de Sociologia e Política de SP

    Reinstalação do Curso do Mackenzie na Escola Livre de Sociologia e Política de São Paulo. Nos primeiros anos de criação as escolas do Rio de Janeiro e de São Paulo foram guiadas por diferentes visões. A primeira mantinha suas raízes humanísticas enquanto a segunda era basicamente técnica
  • BRASIL - Biblioteca Nacional - Disciplinas

    Com a americanização do país e as exigências do mercado de trabalho a Biblioteca Nacional em 1944 modificou seu currículo com o acréscimo de disciplinas técnicas tais como: Catalogação, Classificação, Bibliografia e Referência, mas não deixou de lado sua influência humanística.
  • BRASIL - IBBD/IBICT

    Criação do Instituto Brasileiro de Bibliografia e Documentação (IBBD), por meio de proposta conjunta CNPq/FGV, em 27 de fevereiro de 1954. Na década de 1970 o IBBD passa por uma transformação, inclusive com a mudança de nome para Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), consolidando-se como órgão que coordenaria, no Brasil, as atividades de informação em C&T.
  • BRASIL - FEBAB

    BRASIL - FEBAB
    Fundação da Federação Brasileira de Associações de Bibliotecários (FEBAB), por iniciativa de Laura Russo e Rodolfo Rocha, tendo como principal objetivo defender e incentivar o desenvolvimento da profissão.
  • Princípios de Paris

    A Declaração dos Princípios original, conhecida comumente como os “Princípios de Paris”, foi aprovada pela Conferência Internacional sobre Princípios de Catalogação, em 1961. Seu objetivo de servir como base para a normalização internacional da catalogação foi alcançado: a maioria dos códigos de catalogação que se desenvolveram no mundo desde então seguiram estritamente os Princípios ou, ao menos, em grande parte
  • BRASIL - Lei 4.084/62

    Primeiro Currículo Mínimo que surgiu a partir da obrigatoriedade dos diplomas de Biblioteconomia serem registrados no MEC. A obrigatoriedade foi estabelecida pela Lei 4.084/62 que dispõe sobre a profissão de bibliotecário e regula seu exercício
  • BRASIL - CFB

    Criação do Conselho Federal de Biblioteconomia (CFB). Previsto na Lei 4.084 de 1962, foi oficialmente instalado em março de 1966, com a posse dos membros da sua primeira gestão. No ano de 1966 a Resolução 04/66 criou 10 Conselhos Regionais de Biblioteconomia.
  • BRASIL - 2º Currículo Mínimo de Biblioteconomia

    Atualização do currículo pelo Conselho Federal de Educação, em parceria com a Associação Brasileira de Escolas de Biblioteconomia e Documentação (ABEBD) e professores de diversos cursos de Biblioteconomia, com matérias divididas em três grupos: matérias de fundamentação geral, matérias instrumentais e matérias de formação profissional.
  • Manifesto da IFLA/UNESCO

    Manifesto que define as missões de uma biblioteca pública - salienta a liberdade, a prosperidade e o desenvolvimento da sociedade e dos indivíduos, que são valores humanos fundamentais, e somente serão alcançados quando as pessoas estiverem em posse da informação que lhes permita exercer seus direitos democráticos e ter um papel ativo na sociedade.
  • BRASIL - Criação da Lei 9.394/1996

    Essa Lei estabeleceu as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Esta lei assegurou às universidades autonomia para: criar, organizar e extinguir, em sua sede, cursos e programas de educação superior.
  • BRASIL - Diretrizes Curriculares Nacionais

    Diretrizes específicas para o ensino de Biblioteconomia, estabelecidas em 2001 por meio do Parecer CNE/CES 492/2001 do Conselho Nacional de Educação/Câmara Superior de Educação. Esse documento definiu o perfil dos formandos da área, enumerou as competências e habilidades necessárias ao egresso direcionando o conteúdo curricular. O Parecer estabeleceu a importância de estágios, atividades complementares, avaliação institucional e da estrutura do curso.
  • Nova Declaração dos Princípios de Catalogação

    A IFLA produziu uma nova declaração dos princípios de catalogação, aplicável fundamentalmente, aos catálogos on-line das bibliotecas.
  • Declaração de Santiago

    Declaração de Santiago
    A IFLA publicou a Declaração de Santiago, uma declaração do compromisso das bibliotecas da América Latina e Caribe para alcançar os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Agenda 2030 da ONU.
    https://www.ifla.org/publications/declaracao-de-santiago/